Rede aleluia
Você já trabalhou no piloto automático?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de Novembro de 2021 - 00:05


Você já trabalhou no piloto automático?

Veja como sair desse marasmo e retomar sua carreira

Você já trabalhou no piloto automático?

A rotina é algo muito importante para a vida de todos. Mas se, por um lado, ela pode disciplinar condutas, por outro também permite que a vida se torne algo sem novidades nem descobertas.

Tudo passa a ser igual, em uma sequência que se repete ao longo dos dias: o mesmo caminho para o trabalho, o mesmo cardápio no almoço, a mesma conversa com os colegas, etc. Nesse contexto, há quem perca totalmente a motivação profissional e execute suas tarefas apenas pelo fato de que elas precisam ser realizadas. É o chamado piloto automático. Essa condição, que afeta tanto chefes quanto subordinados, traz sérias consequências para a carreira de quem entra nesse “looping” de marasmo.

Influência da rotina
Para a escritora e palestrante Leila Navarro, especialista em medicina comportamental, a rotina contribui demais para esse processo. “Ela nos rouba o tempo, faz com que sejamos capazes de fazer tudo sem estarmos de fato presentes. Quem vive no piloto automático não saboreia a vida, passa por tudo de maneira insciente, sem exercer nossa principal capacidade como ser humano, que é estar presente de corpo, alma e coração.”

Contudo, Leila explica que o piloto automático é necessário em nossa vida. “Ele nos permite lidar com as questões do nosso cotidiano de maneira que não entremos num esgotamento físico ou mental. Imagine se lembrar de absolutamente tudo o que você fez, viu, ouviu e pelo qual foi impactado? Nós entraríamos em colapso. Mas, quando uma atividade vira um hábito, nosso cérebro passa a nos poupar do desgaste de energia. Ele armazena esses hábitos na nossa memória por meio do nosso próprio repertório emocional e histórico de vida. É por isso que conseguimos chegar a um determinado lugar dirigindo e nem sequer nos lembrarmos do que vimos pelo caminho”, diz.

Prováveis causas
De acordo com Edna Goldoni, profissional com mais de 30 anos de experiência no mercado de recursos humanos e seguros e presidente do Instituto Vasselo Goldoni (IVG), criado para inspirar mulheres a formarem redes colaborativas, são muitos os motivos para que as pessoas entrem no piloto automático: “Acredito que o excesso de tarefas, as faltas de perspectiva de futuro e de convívio com pessoas diferentes do seu relacionamento, não realizar as atividades de que gosta, não cuidar da saúde física e emocional, todos são fatores que podem levar a isso.”

Uma das consequências mais comuns para quem entra nesse processo é a estagnação: “não se desenvolver, não crescer e não conquistar seus sonhos e objetivos. Acredito que o primeiro e mais importante passo para mudar é a conscientização, é se dar conta de que você está a maior parte do seu tempo no piloto automático. Muitas vezes, é mais difícil encontrar o caminho sozinho, mas, com a ajuda de um mentor que tenha mais experiência, fica bem mais fácil. Eu acredito que a melhor forma de ajudar é dando apoio e orientando sobre o melhor caminho”, opina Edna.

Por que mudar?
Para Leila, quem quer fazer a diferença não tem como viver de forma automatizada. “Tem que ser autônomo, um desbravador de caminhos. A maior tarefa de um ser humano é ser líder de si mesmo. Isso sim é ser livre. A grande diferença entre chefes e líderes é que os líderes estão presentes de corpo e alma em tudo o que fazem. Eles não fazem por fazer, não falam por falar. Sabem a hora de agir e como agir e, quem está atento à vida, às transformações do mundo, está sintonizado com o presente”, analisa.

Edna concorda que assumir a responsabilidade da própria carreira e virar protagonista de sua vida são ações fundamentais para ter sucesso: “acredito que ter o mind set (a mentalidade) e estar atento à atualização são hábitos importantes que podem ajudar muito a não entrar no piloto automático. Quando você se mantém disposto a se atualizar, vai procurar coisas novas, novos conteúdos, pessoas diferentes que possam ser referências, eventos para participar, livros para ler e tudo isso ajuda”.

Congresso para o Sucesso
Se você está sem motivação e perdeu suas metas de vida, participe do Novo Congresso para o Sucesso, às segundas-feiras, na Universal. Os encontros oferecem orientações fundamentadas na Palavra de Deus para questões financeiras e profissionais.


Você já trabalhou no piloto automático?
  • Eduardo Prestes / Foto: getty images 


reportar erro