Rede aleluia
Use melhor o seu dinheiro
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de Novembro de 2021 - 00:05


Use melhor o seu dinheiro

Embaladas pelo clima de final de ano, muitas pessoas se envolvem em embaraços financeiros. Aprenda a fugir deles e a manter a saúde do seu bolso

Use melhor o seu dinheiro

O dia 30 de novembro é a data-limite para que os brasileiros recebam a primeira parcela do 13º salário. A maioria das pessoas que trabalha com carteira assinada fica com o bolso um pouco mais recheado nessa época. Vinte dias depois chega a segunda parcela. Entretanto o mês que deveria render um dinheiro extra para os trabalhadores acaba se tornando o início de grandes dívidas. No imaginário de muitos as dívidas já existentes são esquecidas neste período do ano. Parece que o 13º salário tem algo para se transformar em uma generosa patrocinadora de compras de Natal, ceias para as festas, presentes e viagens caras nos feriados ou finais de semana. Todo esse encanto vira pesadelo já em janeiro, com a chegada das faturas de cartões e a cobrança do cheque especial somadas ao IPVA, ao IPTU e, para muitas famílias, da lista de material escolar e da rematrícula do colégio.

Em 2019, três a cada dez brasileiros (26%) admitiram gastar mais do que poderiam com presentes de Natal e 32% pretendiam comprar presentes mesmo com contas atrasadas, de acordo com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Destas, 66% tinham o nome inscrito no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e no Serasa.

Recentemente, os números divulgados pela Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC) na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) revelaram que mais de 12 milhões de brasileiros estão endividados. Já em outubro de 2021, 74,6% das famílias relataram que possuem dívidas que vencerão nos próximos meses, como cheque especial e cartão de crédito que, inclusive, é o maior vilão entre os inadimplentes, segundo o mesmo levantamento.

Envolvidas pelo clima de final de ano, muitas pessoas deixam em segundo, terceiro ou último plano compromissos já existentes. Raras são as que se planejam financeiramente para o próximo ano, mas quase todas aceitam flertar com tradições de fim de ano que, muitas vezes, fogem da própria realidade financeira. Isso é um erro que pode trazer ou manter velhas preocupações com o que está ou não no bolso de janeiro a dezembro do ano seguinte.

SÓ MAIS UM INGREDIENTE
O escritor e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos observa que “muitas pessoas usam o 13º para corrigir os problemas do ano todo”. E não é bem assim que deveria funcionar. “Na verdade, o 13º salário deveria ser visto como se fosse uma hora extra. É apenas um ingrediente novo dentro do orçamento mensal”, explica Domingos.

Sendo assim, o ideal é que, antes de fazer planos com o dinheiro que ainda não caiu na conta, a pessoa mapeie e conheça bem a própria situação financeira. A partir daí, ela pode se planejar para pagar as dívidas antigas, programar o pagamento das contas já previstas e, aí sim, utilizar o dinheiro para se dar algum mimo, seja um presente, seja uma ceia ou uma viagem. Saiba como fazer isso no infográfico ao lado.


Use melhor o seu dinheiro
  • Flavia Francellino / Arte: Edi Edson 


reportar erro