Rede aleluia
UNP auxilia familiares e amigos após massacre em Altamira
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de agosto de 2019 - 00:05


UNP auxilia familiares e amigos após massacre em Altamira

Uma grande rebelião ocorreu no Pará e deixou 62 mortos

UNP auxilia familiares e amigos após massacre em Altamira

O grande muro cinza da penitenciária simboliza adequadamente o sentimento dos que aguardam ansiosamente notícias de familiares e amigos do lado de fora. Em letras pretas, há a identificação do local: Centro de Recuperação Regional de Altamira.

O local foi cenário de um terrível massacre, no dia 29 de julho, no município paraense. Uma rebelião, que durou cinco horas, fez 62 mortos. Desse total, 16 morreram decapitados e os demais foram asfixiados por meio de um incêndio provocado. Todos eram internos. As informações são de que o confronto foi iniciado pelo Comando Classe A (CCA) contra membros do Comando Vermelho (CV). Por causa disso, 46 internos tiveram de ser transferidos.

Diante dessa situação, familiares e amigos dos internos se posicionaram em frente à penitenciária na expectativa de receber informações. Entretanto o desespero tomou conta de muitos que estavam ali.

Por causa disso, o grupo Universal nos Presídios (UNP) armou uma tenda com água e alimentos, entre outros recursos, para apoiar aquelas pessoas.

“É um local muito distante da área urbana de Altamira. Não tem alimento, não tem água e não tem comércio. As famílias estão desprovidas, aguardando informações. Tem pais, mães, esposas, amigos que esperam notícias. Mas o grupo UNP está aqui para prestar solidariedade para essas famílias e também para as forças de segurança”, esclareceu o Pastor Maurício Carraro, responsável pelo trabalho evangelístico na região. Ele estava acompanhado do Pastor Moisés Freitas do Carmo, responsável pelas atividades da UNP em Altamira.

Além disso, os integrantes oraram pelas pessoas e leram trechos bíblicos, com o intuito de transmitir consolo e ânimo. Também foram doadas Bíblias, com as anotações de fé do Bispo Edir Macedo, para orientação espiritual.
O secretário da Pasta de Saúde do Estado (Sespa), Maurício Miranda do Nascimento, que também esteve presente, agradeceu o apoio dos integrantes da UNP.

“Hoje, nós estamos empenhados nesse trabalho. Parabenizo a Universal por ter dado assistência para as famílias imediatamente. A Sespa também enviou médicos, enfermeiros e psicólogos para atender as famílias neste momento tão difícil”, disse.
Tanto os voluntários do grupo UNP quanto os profissionais da Sespa permaneceram em frente ao Instituto Médico Legal (IML), localizado na região central de Altamira, para dar continuidade ao apoio às famílias.

Repercussão na imprensa mundial
O trabalho dos voluntários foi citado em portais de notícias nacionais e internacionais, que publicaram fotos e destacaram, de alguma forma, o auxílio prestado pela Universal no local.

O norte-americano The New York Times, o Al Jazeera, do Oriente Médio e o jornal diário irlandês The Irish Times publicaram fotos que mostram os voluntários uniformizados amparando familiares.

Além dos integrantes da UNP, voluntários da Evangelização (EVG) também atuaram durante a ação.


UNP auxilia familiares e amigos após massacre em Altamira
  • Daniel Cruz / Fotos: Cedidas 


reportar erro