Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de outubro de 2017 - 02:05


Um novo estilo de vida para quem deseja evitar muitos problemas

Você já deve saber como combater o sedentarismo e o estresse. Basta começar!

Uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em todas as capitais brasileiras aponta que, em um período de 10 anos, o percentual de pessoas com problemas glicêmicos, pressão alta e sobrepeso aumentou. Casos de diabetes passaram de 5,5%, em 2006, para 8,9%, em 2016. Os de hipertensão subiram de 22,5% para 25,7% e os de obesidade passaram de 11,8% para 18,9%, no mesmo período, atingindo quase uma em cada cinco pessoas. Entre as mais jovens, na faixa dos 25 aos 44 anos, essa doença chegou a um índice alto: 17%. O excesso de peso também cresceu e passou de 42,6% para 53,8% e está presente em mais da metade dos adultos que residem nas capitais.

O estudo também mostra que esses números estão relacionados à mudança no hábito alimentar da população, que está ingerindo menos ingredientes considerados básicos e tradicionais na mesa do brasileiro. O consumo regular de feijão caiu de 67,5% para 61,3%. Apenas um em cada três adultos consome frutas e hortaliças em cinco dias da semana. A combinação de má alimentação com uma vida sedentária e estressante resulta em uma população mais doente, de acordo com os pesquisadores.

Controle e vigilância

Mas o que fazer quando a vida desregrada é o principal fator para esse panorama? Para o educador físico Cristiano Medeiros Pires, de 37 anos, pesquisas como essa servem para que as pessoas fiquem mais vigilantes e mudem seus hábitos completamente. “Em todos os lugares que eu frequento como professor ou como praticante de atividade física, o número de pessoas realizando algum tipo de exercício é muito grande. Eu vejo que elas estão mais conscientes porque as informações sobre atividade física, alimentação e qualidade de vida estão mais disponíveis”, avalia.

Na opinião dele, ter um corpo bonito não é o principal motivo que leva a maioria delas à prática esportiva. “A qualidade de vida é sem dúvida o estímulo inicial. Depois as prioridades podem até mudar. Alguns médicos também têm ajudado bastante e recomendam o esporte por acreditar que o melhor remédio para combater os problemas da vida moderna, como o estresse, a depressão e a obesidade, seja a atividade física”, afirma.

O início

Cristiano dá algumas dicas para quem quer modificar seus hábitos: “a primeira é ir ao médico, fazer um exame completo, escutar e aplicar as recomendações em relação às mudanças de costumes e à dieta. Quando estiver tudo em ordem, encontre uma atividade que lhe dê prazer. Assim, as chances de desistir dela serão menores. Procure também um profissional de educação física. Ele vai auxiliá-lo a alcançar o seu objetivo de forma eficiente, ajudá-lo a controlar a carga das atividades, o número de séries e o tempo para a realização de cada uma delas”, diz.

Sinal de alerta

O comerciário paulista Carlos José Marques, de 48 anos, encontrou na atividade física e na mudança da dieta formas de controlar seus problemas de saúde. “Há um ano e meio estava com dores renais e fui parar no pronto-socorro. Fiz exames de sangue e descobri que estava com diabetes. Na época, não dava tanta importância. Mas há três meses também soube que estava com hipertensão. Ter os dois problemas me fez ligar o sinal de alerta para a minha saúde. Mudei completamente minha alimentação”, conta.

Mais leve

Carlos revela que se sente muito melhor depois dessas mudanças e que sua disposição para as tarefas diárias também se modificou. “Hoje, fazendo a dieta e praticando basquete duas vezes por semana, meus níveis de glicose estão muito bons. A pressão arterial também está controlada. Eu pesava 94 quilos e hoje estou com 81. Perdi 12 quilos em um mês. Acho que até fim do ano estarei com 77 quilos”, planeja.

São vários os fatores que podem contribuir para o surgimento da diabetes, da hipertensão e da obesidade. Elas são doenças sérias e que exigem tratamento adequado. Para quem tem esses problemas ou quer evitá-los, a mudança de comportamento e a busca de informações podem ser os primeiros passos para melhorar a qualidade de vida. É possível progredir quando se toma uma atitude positiva em relação às dificuldades.


  • Por Eduardo Prestes / Fotos: Demetrio Koch / Arte: Eder Santos 


reportar erro