Rede aleluia
Transtornos alimentares podem ter origem na infância
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de Março de 2019 - 12:28


Transtornos alimentares podem ter origem na infância

A atriz norte-americana Jennette McCurdy diz que se tornou anoréxica aos 11 anos, influenciada pelas cobranças da mãe

Transtornos alimentares podem ter origem na infância

Em uma publicação no site do Huffington Post, a atriz norte-americana Jennette McCurdy, de 26 anos, conhecida após atuar no seriado infantil iCarly, revelou que desenvolveu anorexia aos 11 anos de idade. Ela associa a doença às exigências da própria mãe e de produtores de televisão para que se mantivesse magra.

“Como atriz infantil trabalhando em Hollywood, rapidamente aprendi que permanecer fisicamente pequena para a minha idade significava que eu teria uma chance melhor de reservar mais papéis para mim. Infelizmente, eu tinha uma companheira confiável, dedicada e pronta para me ajudar com a minha crescente anorexia: minha mãe!”, disse a atriz.

A anorexia é um transtorno alimentar caracterizado por uma preocupação exagerada com o peso corporal. Como a pessoa se vê sempre acima do peso real, faz dietas e jejuns inadequados e usa diversos métodos para emagrecer mais do que precisa. Uma das características é a magreza exagerada, que pode levar à desnutrição.

Jennette lembra que durante o período escolar as mães de seus colegas demonstravam preocupação com sua magreza, mas sua mãe a instruía que sempre afirmasse que sua alimentação era normal. “Minha mãe realmente lutava com meu corpo, peso e dieta. Ela regularmente comparava meu tamanho ao de outras garotas, dividia minhas refeições e me ajudava a contar calorias. Na época, em vez de me incomodar com as sugestões, eu achava que ela estava me ajudando.”

Após a morte da mãe em 2013, vítima de câncer, a atriz começou a apresentar bulimia alternada com compulsão alimentar. A bulimia é caracterizada pela ingestão compulsiva de alimentos, seguida de vômitos induzidos, uso de laxantes e diuréticos. Ela pode causar desnutrição, inflamação na garganta, desmaios, arritmia cardíaca, problemas gastrointestinais e ainda levar à morte.

“Minha garganta frequentemente sangrava e os vasos sanguíneos dos meus olhos estouraram por vomitar tanto.. Uma vez perdi um dente depois que fluidos estomacais desgastaram o esmalte dele. Outra vez, desmaiei no chão do banheiro por desidratação”, contou a atriz.

Ao todo, ela ficou 13 anos sofrendo. Com a ajuda de sua cunhada, Jennette buscou tratamento.

De mãe para filha
Para a life coach e psicoterapeuta Eliana Barbosa, mães neuróticas com o peso corporal e a beleza dos filhos podem fazer um estrago na vida emocional deles, levando-os a se tornarem pessoas inseguras e com ressentimentos, culpas, tendência depressiva e, em alguns casos, suicida.

Por meio de cobranças, críticas e comparações, muitas delas transferem seus complexos e neuroses para eles. “O triste é que as crianças que convivem com tais exemplos crescem inseguras de seu valor e aprendem a viver na base da comparação, o que pode se tornar um enorme problema quando chegam à adolescência e à vida adulta.”

O complexo em relação ao corpo pode levar à síndrome da distorção da imagem, que é um transtorno psicológico caracterizado pela preocupação obsessiva com algum defeito inexistente ou mínimo na aparência. “Quem é inseguro, tem baixa autoestima e necessita de aceitação social, se deixa levar por padrões de beleza. Ele precisa, na verdade, de um sério trabalho no resgate de sua autoestima.”

Razão X emoção
A relação emocional das pessoas com a comida, de acordo com Eliana, tem início quando são bebês, fase em que associam alimento ao amor da mãe. Depois, crescem usando a comida como fonte de prazer e de celebração de momentos importantes, mas também para compensar situações de estresse, ansiedade, angústia e carência afetiva.

“As emoções negativas afetam o apetite de formas diferentes. Algumas pessoas se tornam compulsivas em relação à alimentação; outras perdem completamente a fome. Somente equilibrando emoção e razão é possível controlar de forma saudável o apetite em qualquer circunstância.”

O apoio terapêutico é indicado, mas, assim como o corpo necessita de alimento, a alma também deve ser nutrida. Por isso, é importante alimentar a alma com a Palavra de Deus. A especialista deixa a dica que “em momentos de desequilíbrio na forma de se alimentar se questione: ‘como estou alimentando minha alma?’ São poucos que compreendem que nossa saúde depende do bem-estar de pensamentos, sentimentos e emoções, que determinam a qualidade da vida que teremos”, finaliza.


Transtornos alimentares podem ter origem na infância
  • Kelly Lopes / Fotos: Fotos: Cedidas pela atriz ao site Huffington Post 


reportar erro