Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de fevereiro de 2019 - 09:56


Transfobia? Mãe é detida por usar pronome masculino no Twitter

Caso aconteceu na Inglaterra, mas se reflete também no Brasil

Kate Scottow (38) foi detida pela polícia quando estava em sua casa cuidando da filha autista de dez anos de idade e do filho recém-nascido de um ano e oito meses. Ela estava sendo acusada de transfobia.

A confusão aconteceu na rede social Twitter. Stephanie Hayden, transgênero e ativista pelos direitos de sua comunidade, debatia com Scottow sobre o direito de mudar ou não de sexo. Scottow defendeu que isso deveria ser possível apenas com laudo médico atestando a necessidade. O fato de Scottow se referir a Hayden no gênero masculino, porém, foi o bastante para que ela fosse acusada de transfobia.

“Eu fiquei detida por sete horas em uma cela sem produtos sanitários. E eu disse que precisava deles. Só depois fui entrevistada sobre a investigação. Eu fui detida por assédio e comunicação maliciosa, porque me enganei em relação ao gênero de alguém no Twitter”, afirmou Scottow.

 

A detenção aconteceu em primeiro de dezembro. Contudo, só agora foi divulgada por Scottow e confirmada pela polícia local. Scottow pede às autoridades que devolvam seu celular e seu notebook, que ainda estão detidos para averiguações. Isso porque depende dos aparelhos para seguir em seus estudos.

Ela afirma que não é transfóbica. Apenas cometeu um erro ao se referir a Hayden por pronomes como “ele”.

Outros casos de transfobia na internet

A mesma ativista Stephanie Hayden também alegou transfobia em caso com o romancista Graham Linehan. Ela o denunciou o por comunicação maliciosa. Isso porque o escritor se referiu a ela por pronomes masculinos na internet.

No Brasil, recentemente o cantor Nego do Borel foi acusado de transfobia pela youtuber Luisa Marilac. Ela o chamou de “homem gato” em postagem do Instagram. Nego respondeu que ela também era um “homem gato” e que devia estar “cheio de gatas”.

“A nossa brincadeira é um pouquinho grossa e machuca as pessoas sem querer machucar”, publicou o cantor posteriormente, em pedido de desculpas. “Não sou homofóbico ou transfóbico. Luisa, quero te pedir desculpas do fundo do meu coração pelo meu comentário”.

Ser acusado de transfobia, porém, rendeu muitas críticas a Nego do Borel, que teve que cancelar shows e participações na mídia e perdeu contratos.

 

Como se sabe, a internet é terreno fértil para que acusações sejam espalhadas. Infelizmente, isso é o que acontece hoje em dia. Assim, é muito importante estar atento aos sites que se visita, aos amigos e seguidores online que se aceita, aos comentários que se faz.

Uma mãe de família que se confundiu ao utilizar um pronome foi arrancada de casa na frente dos filhos e está respondendo a um processo judicial. Profissionais perdem oportunidade de trabalho e ficam com os nomes manchados por terem frases mal-interpretadas.

Mas será que é correto atacar as pessoas sem dar a elas o direito de se defenderem? O que você pensa sobre o assunto? Deixe seu comentário e compartilhe essa reflexão com sua família.


  • Da Redação / Imagem: iStock 


reportar erro