Rede aleluia
“Todos me diziam que não tinha mais jeito”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de Novembro de 2017 - 02:05


“Todos me diziam que não tinha mais jeito”

Denise Rodrigues teve hepatite C crônica e, sem forças para andar, procurou ajuda. Saiba mais

“Todos me diziam que não tinha mais jeito”

Baladas e vício em bebidas e drogas faziam parte da rotina da secretária Denise Rodrigues, de 39 anos. Em 2012, em um dia de consulta médica e exames de rotina, ela foi diagnosticada com hepatite. “Foi muito difícil compreender que estava com hepatite C crônica, o pior tipo da doença. Mesmo assim, continuei levando aquela vida errada”, conta.

Denise se afundou ainda mais nos vícios até o dia em que a médica a alertou sobre os perigos de viver doente, consumido bebidas e usando drogas. Caso continuasse assim, ela não viveria por muito mais tempo.

Todos os dias Denise precisava ir ao hospital para colher sangue e passar por uma avaliação médica. A doença a deixava cada vez mais debilitada. Além disso, as medicações que ela tomava causavam fortes efeitos colaterais. Denise perdia peso com muita facilidade e, para piorar a situação, ainda adquiriu anemia profunda.

“Uma amiga que frequentava a Universal viu a minha situação e me convidou para ir às reuniões, mas ainda assim eu a ignorava, mesmo compreendendo que Deus era o único que poderia me curar.”

A secretária emagreceu 35 quilos, sentia muita fraqueza e passou a andar com dificuldade. “Quando me vi debilitada e sem forças, procurei minha amiga para me ajudar, pois não aceitava mais estar daquele jeito”, lembra.

Denise passou a frequentar as reuniões de cura e, ao ver os testemunhos das pessoas que eram curadas, sua fé foi despertada. Ela foi liberta e abandonou a vida noturna.

Muitas vezes, Denise se deixava abater. “Eu só chorava, estava entrando em depressão. Eu via muitas pessoas com hepatite e todos me diziam que não tinha mais jeito, pois não havia cura. Uma obreira, que me ajudava, sempre me orientava a prosseguir com fé.”

Com a ajuda da obreira, ela perseverou em propósitos e em oração pela cura. Após dois meses lutando contra as emoções e contra a doença, Denise foi chamada pela médica para verificar os exames recentes dela. “Quando cheguei na médica, a minha primeira reação foi pensar que poderia ser algo ruim, pois eu nunca tinha sido chamada com aquela urgência. A médica estava feliz. Ela não sabia o que tinha acontecido, apenas disse que não havia mais a doença no meu corpo”, recorda.

Hoje a vida de Denise está transformada em todas as áreas. Ela é uma pessoa saudável, não precisa de drogas ou de baladas para ser feliz, pois o seu interior foi totalmente restaurado.

Hepatite C

Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 325 milhões de pessoas no mundo vivem com infecção crônica pelo vírus da hepatite B (VHB) ou pelo vírus da hepatite C (VHC).

Cerca de 1,75 milhão de pessoas foram infectadas por hepatite C em 2015, elevando o total de pessoas que vivem com a doença para 71 milhões em todo o planeta.

Sintomas

As hepatites são doenças muitas vezes silenciosas, que têm como sintomas tontura e enjoo, vômitos, dores abdominais, febre, urina escura e pele e olhos amarelados. Os tipos de hepatites virais mais comuns no Brasil são as A, B e C, mas existem ainda os tipos D e E. Um dos principais riscos associados às hepatites (sobretudo aos tipos B, C e D) é o de a doença persistir por mais de seis meses e danificar o fígado, causando outros problemas como cirrose e câncer de fígado.

Transmissão

A doença pode ser transmitida via oral, por meio da água ou de alimentos contaminados e pelo contato com a saliva de pessoas doentes. Também é possível transmiti-la por meio da relação sexual.

Muitas pessoas fazem e recebem orações para
tratar doenças incuráveis nas reuniões de cura e libertação da Universal. As
correntes acontecem todas as terças-feiras, em todo o Brasil. Veja o endereço
da Universal mais próxima em
universal.org/enderecos.


“Todos me diziam que não tinha mais jeito”
  • Por Michele Francisco / Fotos: Marcelo Alves, Cedidas e Fotolia  


reportar erro