Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de maio de 2019 - 00:05


Seja homem, seja honrado

Veja como a honra é um atributo essencial à masculinidade

Muitas culturas ao longo da História relacionam a honra à masculinidade. Antes que alguém venha com polêmica, é importante dizer que ser uma pessoa honrada não é traço exclusivo deste ou daquele gênero, mas é, de fato, interessante essa relação antiga. Inclusive, algumas correntes de pensamento entendiam que ao perder a honra também perdia-se o sentido de ser homem.

Essa relação é tão verdadeira que entre os sinônimos de honra está a palavra hombridade, que tem origem no espanhol hombredad e significa qualidade ou dignidade de ser homem. Mesmo que seres humanos do sexo feminino ou masculino possam ter honra, ser honrado também é essencial para se definir como homem. Afinal, quem não a tem é rotulado de moleque, bandido, infiel ou qualquer outro adjetivo negativo que não tem nada a ver com a masculinidade de fato saudável.

A honra, inclusive, é essencial para que exista qualquer grupo humano. E, para isso, são necessários líderes que deem o exemplo de integridade e de retidão. Mesmo quando não existiam leis muito bem definidas ou autoridades oficiais, havia a necessidade de homens que agissem dessa forma. Moisés, por exemplo, precisou ser orientado por Deus e, então, ser honrado por Ele, para ser líder espiritual e pode-se dizer até político para o povo de Israel no deserto. A ele foram confiadas as leis que nos regem até hoje.

O único que “vigia” sua honra é você mesmo. Até Deus, com Seu poder, lhe dá o livre-arbítrio para decidir. Sendo assim, você se considera honrado? Tente responder sinceramente às perguntas:

• Você segue seus princípios mesmo quando eles “batem de frente” com o pensamento da “galera” com a qual anda?
• Ao se considerar cristão, é fiel ao que Deus lhe mostra na Bíblia como sendo a conduta correta? Ou seja, você honra o Altíssimo com seus atos?
• Você respeita e honra outra pessoa, mesmo quando ela parece não merecer e até a quem é muito diferente de você? Ou apenas honra quem costuma lhe honrar antes?
• Você honra alguém que parece não ter vantagem nenhuma a lhe oferecer?
• Honra a si mesmo, a sua família e ao seu trabalho com suas atitudes ou se desrespeita cedendo às emoções, aos vícios ou às tentações?

É importante você meditar em todas essas perguntas, mas a penúltima levanta outra questão bem interessante: você é capaz de honrar os que estão no mesmo nível (hierárquico, econômico, intelectual ou qualquer outro) e abaixo dele ou só é gentil com quem está acima de você? Se você estiver no segundo caso, isso não é qualificado como honrar.

Embora o ato de respeitar um superior no trabalho, por exemplo, seja essencial, na verdade essa é a característica de um bajulador – outros preferem um termo bem pior.

Como a honra parece ter “saído de moda”, não é de admirar que ultimamente o mundo esteja uma bagunça. Há uma carência de líderes honrados como nunca houve antes na História. Como também há uma necessidade enorme de homens que sejam exemplos positivos de masculinidade, que deixem o legado da hombridade e não o do “jeitinho” de fazer as coisas e de tirar vantagem delas.

Portanto, não pense que você pode ser um homem de fato se a honra lhe falta para com Deus, para com o próximo ou para consigo mesmo.


  • Marcelo Cypriano / Foto: Fotolia 


reportar erro