Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de maio de 2020 - 15:59


Unicef: 86 milhões de crianças podem entrar na pobreza neste ano

O órgão pede aos governos que adotem medidas de prevenção

De acordo com reportagem da Agência de Notícias EFE, na última quarta-feira (27), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a ONG Save the Children,  fizeram um alerta com respeito às consequências econômicas da pandemia do novo coronavírus.

Segundo essas instituições, a pandemia pode levar 86 milhões de crianças para a pobreza em 2020. Com isso, o total mundial chegará 672 milhões. Em vista desses números elas apelam aos governos que tomem medidas de proteção social a fim de evitar o problema.

A reportagem menciona um relatório publicado pela agência da ONU e pela organização britânica que aponta um aumento da pobreza de 44% em países da Europa e da Ásia Central.

Ainda de acordo com esse relatório o impacto das medidas de combate à pandemia está causando uma perda imediata de renda. Assim, muitas família enfrentam dificuldade de pagar suas despesas básicas. Além disso, existe o perigo de que, a longo prazo, as medidas de consolidação fiscal afetem os serviços públicos dos quais essas famílias dependem.

Crise financeira e emocional

As medidas preventivas que estão sendo tomadas para conter o avanço do novo coronavírus não estão impactando apenas na vida econômica das pessoas, mas também no emocional.

No Brasil, por exemplo, um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que o desemprego no País subiu para 12,2% e atingiu 12,9 milhões de pessoas, apenas no primeiro trimestre desse ano.

Por conta dessas perdas econômicas, o programa Entrelinhas, recentemente exibido pelas mídias da Universal, abordou o porquê o desemprego é um grande fator de influência para que as pessoas queiram tirar a própria vida.

Na oportunidade, o Bispo Renato Cardoso, ao lado do Bispo Adilson Silva e do Pastor Jefferson Garcia, atual responsável pelo projeto Depressão Tem Cura, destacou sobre os perigos da depressão nessa fase de pandemia.

Clique aqui e assista ao programa.

(*) Com informação da Agência de Notícias EFE


  • Redação (*) / Foto: Getty Images 


reportar erro