Rede aleluia
Remédio para dor de amor?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de Março de 2020 - 10:13


Remédio para dor de amor?

Nova droga promete acabar com a dor da desilusão amorosa. Será o suficiente para ser feliz?

Remédio para dor de amor?

Um psicoterapeuta canadense acaba de divulgar sua nova fórmula para combater as dores de uma desilusão amorosa: uma droga à base de propranolol – o mesmo betabloqueador de remédios que combatem hipertensão e taquicardia.

O responsável pela droga, Alain Brunet, contou à BBC local que, após tomar o remédio, o paciente passa por uma sessão de terapia. O objetivo é fazer com que as memórias dolorosas deixem de doer o mais rápido possível.

Pacientes que passaram pelo teste relataram estar com dificuldades para “virar a página, dar a volta por cima”, de acordo com Brunet. O novo remédio promete justamente ajudar as pessoas a superarem o trauma rapidamente, tornando-se prontas para um novo amor.

Mas elas estarão prontas mesmo?

O livro Casamento Blindado 2.0 – O Seu Casamento à Prova de Divórcio ressalta que todos carregam bagagens. Nessas bagagens há coisas positivas e coisas negativas. E é importante entender isso para melhorar o comportamento:

“No relacionamento, temos que desaprender coisas ruins para então aprender coisas boas. Temos que identificar os maus hábitos, aquilo que não funciona, e eliminá-los do nosso comportamento, desenvolvendo novos e melhores hábitos. Reconhecer isso é muito doloroso, mas imprescindível para a mudança”.

Ou seja: a dor faz parte desse processo.

“Todo divórcio deixa feridas. Todo divórcio deixa traumas”, afirma o escritor Renato Cardoso. “E esses traumas e feridas têm que ser superados se você vai ser uma pessoa feliz novamente no amor ou sozinho.”

Superar esses traumas, porém, não é ignorá-los. Não é deixar de sentir a dor o mais rápido possível e partir para outro relacionamento. Se isso for feito, os mesmos erros serão cometidos novamente e as dores voltarão após mais uma desilusão.

Superar é analisar tudo o que aconteceu na relação anterior: quais erros foram cometidos e quais comportamentos precisam ser alterados.

“Você já sabe as verdadeiras razões e onde você errou, onde você falhou, para que você não repita os erros lá na frente? Isso é um processo de descoberta. É um processo de você olhar para si e reconhecer. E essa é uma das coisas mais dolorosas que alguém pode fazer. É o reconhecimento dos próprios erros. Se conhecer, se entender e fazer a mudança para você não repetir isso lá na frente”, conclui Renato Cardoso.

Você pode encontrar ajuda!

Em outras palavras: a dor não é inimiga. Fugir dela apressadamente não trará o aprendizado necessário para o amadurecimento.

É natural sentir que não pode suportar a dor sozinho. E a verdade é que você não precisa fazer isso. Todas as quintas-feiras, a Universal realiza, gratuitamente, a palestra “Terapia do Amor”. O objetivo é ensinar a utilizar a fé como ferramenta para a construção de uma vida amorosa saudável. Clique aqui e saiba onde participar.


Remédio para dor de amor?
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro