Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de janeiro de 2020 - 12:56


Quando o filho implora pela atenção dos pais

Pais viciados em smartphones se importam cada vez menos com as crianças

Acompanhe o vídeo a seguir:

Não é possível saber o que levou a mãe da criança a agir desta maneira. Mas é possível afirmar que inúmeras crianças, no mundo inteiro, têm recebido cada vez menos atenção de seus pais. Enquanto elas imploram por um pouco de carinho, os adultos estão viciados em smartphones e internet.

O advogado especialista em Cibercrimes Luiz Augusto D’Urso afirma que “a dependência de alguns em relação ao celular é tão grande, que a distância pode gerar a sensação de nomofobia (pavor de estar longe do aparelho), além do vício que já preocupa médicos e psicólogos”.

Nesse sentido, um estudo realizado pela Universidade Estadual de São Francisco, na Califórnia (EUA), revelou que, em média, cada pessoa interage 2.617 vezes por dia com seu smartphone. Será que os pais interagem tanto assim com seus filhos?

A resposta pode estar em outra pesquisa, também realizada nos EUA. Essa revelou que 73% das crianças que possuem entre 6 e 17 anos de idade gostariam de ter mais oportunidades de se relacionar com suas famílias.

Conforme explica o Bispo Renato Cardoso, porém, “uma das grandes vítimas da vida agitada que vivemos hoje é a família”. De acordo com ele, “normalmente, o que acontece é que tentamos encaixá-la entre ou durante as outras atividades. Ou seja, atenção parcial e dividida”.

Quantos pais não estão, neste exato momento, dando atenção à tela do celular em conteúdos supérfluos e deixando os filhos em segundo plano?

“Não é de se espantar que os problemas de casamento, pais e filhos, irmãos e irmãs vão se instalando no meio das famílias. Quando menos percebemos, estamos vivendo como estranhos em casa”, relata o Bispo. “Os pais não sabem o que se passa com os filhos. E a casa vira um hotel.”

Por isso, o Bispo recomenda que, hoje mesmo, faça-se tempo para a família. É somente com a troca de atenção e amor que uma família se tornará estruturada e permanecerá feliz.

Para saber mais sobre este assunto, clique aqui e leia o artigo completo de Renato Cardoso.


  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro