Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de abril de 2018 - 03:05


Quais as vantagens de interromper o ciclo menstrual?

Especialista indica quais métodos podem ajudar mulheres que sofrem com os desagradáveis sintomas e desconfortos da menstruação a ter uma melhora na qualidade de vida

Dores pelo corpo, inchaço, irritação, alteração de humor e cólicas. Esses sintomas aparecem na maioria das mulheres pelo menos uma vez por mês, o suficiente para alterar a rotina e a saúde delas. Por esse motivo, muitas têm procurado métodos contraceptivos que, além de evitar a gravidez, interrompem a menstruação.

Segundo a doutora Patrícia de Rossi, ginecologista e obstetra, membro da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), interromper o ciclo menstrual pode melhorar os sintomas da tensão pré-menstrual (TPM) e a qualidade de vida das mulheres. “Com a ausência de menstruação, evitam-se cólicas menstruais, dores de cabeça, previne-

se ou trata-se a anemia por deficiência de ferro. Além da comodidade de poder praticar natação ou ir à praia, por exemplo. Outra vantagem é não ter de usar absorventes, no caso de alergia ou irritação a eles.”

A utilização de métodos para suspender o ciclo também traz desvantagens. “No curto prazo, observa-se que, na maioria dos casos, os sintomas relacionados à menstruação habitualmente já melhoram. No entanto, após alguns meses, podem ocorrer pequenos sangramentos tipo borra de café e outros sintomas que variam de mulher para mulher.” Nesses casos, é preciso reavaliar o uso do método escolhido.

Como parar?

De acordo com a médica, inúmeras pesquisas e estudos científicos confirmam que não há riscos à saúde da mulher com o bloqueio da menstruação. “Existe uma crença que a menstruação ficaria ‘guardada’ no corpo e causaria doenças, mas isso não é verdade.”

A especialista conta ainda que o método mais eficaz para a interrupção da menstruação é o uso contínuo da pílula combinada, mas ressalta que nem todas as mulheres podem fazer uso desse método.

“Como essas pílulas contêm estrogênio, mulheres com pressão alta, fumantes com mais de 35 anos de idade, que sofram enxaqueca com alterações visuais ou que tiveram trombose não podem usá-las. Nesses casos, só podem ser usados contraceptivos compostos exclusivamente de progestagênio, como implante contraceptivo, injeção trimestral ou DIU hormonal. Esses métodos causam o bloqueio da menstruação em parte das usuárias”, afirma.

A ginecologista aconselha ainda que a mulher pratique exercícios físicos regularmente e tenha uma alimentação balanceada. “Para alívio dos sintomas da TPM, a atividade física é uma boa opção, pois aumenta o bem-estar. A alimentação balanceada e variada e a redução no consumo de cafeína e sal também são benéficos para a maioria das mulheres”, conclui.


  • Por Michele Francisco/ Foto: Fotolia/ Ilustração: Edi Edson  


reportar erro