Rede aleluia
PT ignora a norma culta da língua portuguesa e vai ao STF questionar decreto que proíbe o uso de pronome neutro em Santa Catarina
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Julho de 2021 - 16:43


PT ignora a norma culta da língua portuguesa e vai ao STF questionar decreto que proíbe o uso de pronome neutro em Santa Catarina

Na ação, o partido deixa de lado outras necessidades, realmente, importantes à educação brasileira, em nome de uma cartilha ideológica

PT ignora a norma culta da língua portuguesa e vai ao STF questionar decreto que proíbe o uso de pronome neutro em Santa Catarina

Recentemente, o Partido dos Trabalhadores (PT) ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, no Supremo Tribunal Federal (STF). A ação é contra o governo do estado de Santa Catarina e o decreto estadual 1.329/2021.

O decreto proíbe instituições de ensino catarinenses, sejam públicas ou privadas, de adotarem o pronome neutro, assim como também veta que órgãos públicos utilizem o pronome neutro em documentos oficiais, pois são contrários às regras gramaticais consolidadas e ensinadas em todo o País.

Contudo, ignorando a língua portuguesa, o PT acredita que a medida adotada pelo governo catarinenses fere princípios da igualdade, não-discriminação, direito à educação e dignidade humana.

Fantasiado de luta contra o preconceito e inclusão, o pronome neutro foi criado por militantes progressistas e tem como objetivo mudar os pronomes para que eles não tenham gênero. Segundo eles, muitas expressões, presentes na norma culta na língua, são machistas e não-inclusivas. 

A sugestão dos esquerdistas é que as letras “a” e “o” sejam substituídas pela letra “e”, ao final de adjetivos. Por isso, segundo o gênero neutro na língua “ele” e “ela” se tornariam “ile”. Portanto, a frase: “Eles são amigos” se tornaria “Iles são amigues”. 

O uso de pronome neutro tem ganhado espaço, principalmente, entre jovens, que têm ignorado a forma culta da língua, para abraçar uma ideologia imposta por movimentos esquerdistas, na tentativa de ter uma sociedade inclusiva, especialmente, nas escolas.

Contudo, em meio à discussão se haverá gênero neutro na língua portuguesa ou não, a inclusão e acessibilidade de pessoas com deficiência, por exemplo, parece não ser importante para essas pessoas. 

De acordo com Censo Escolar, divulgado em 2019, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas 38,6% das escolas públicas de ensino fundamental têm banheiros para pessoas com necessidades especiais.

Ainda segundo o Censo, apenas 28% das escolas públicas de ensino fundamental e 44,7% das particulares possuem dependências adequadas para pessoas com necessidades especiais.

Segundo a União Mundial de Cegos, que representa mais de 250 milhões de pessoas com deficiência visual em mais de 190 países, apenas 5% das obras literárias do mundo são transcritas em braille. Nos países pobres a porcentagem é de 1%. 

Um relatório da Unesco também apontou que quase 260 milhões de crianças não tiveram acesso à educação, em 2018. Segundo o relatório, a maior causa é a pobreza.

No Brasil, segundo um levantamento do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) 1,4 milhão de crianças entre 6 e 17 anos estão fora da escola. A pesquisa ainda estima que 5,5 milhões de crianças e adolescentes ficaram sem acesso às atividades escolares em 2020.

Mas, mesmo diante de um cenário ainda desfavorável aos que, realmente, precisam de inclusão, a esquerda e seus representantes parecem ignorar essa população em nome de uma cartilha ideológica de gênero. 

Isso é visto pelo histórico das pautas que o partido defende pelo Brasil. Este mês, por exemplo, a Câmara Municipal de Olinda (PE) aprovou um projeto de lei de autoria do vereador Vinicius Castello, do PT, em que autoriza o uso de nome social para a população LGBTQIA+.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, a professora de português e colunista da revista Forbes, Cíntia Chagas, esclareceu que a língua portuguesa já contempla o gênero neutro. 

“No latim, nós tínhamos a terminação em ‘U’ que representava o gênero neutro. Quando o latim deu origem ao português, o masculino passou a compreender o gênero neutro. Por isso que, quando eu digo ‘boa noite a todos’ estou me referindo a homens e mulheres. Além disso, substituir as letras ‘a’ e ‘o’ ao final das palavras por ‘e’ com a prentensão de neutralizar o gênero é uma grande bobagem porque é algo totalmente arbitrário. Por exemplo, a palavra ‘pente’ termina em ‘e’ e continua sendo um termo masculino”, concluiu.

Além disso, segundo a professora, “o uso da ‘linguagem neutra’ prejudica o aprendizado nas escolas e não inclui ninguém”. Segundo ela, a utilização de gênero “atrapalha a compreensão das pessoas que têm dislexia, confunde os surdos que se comunicam através da leitura labial e atrapalha os cegos que leem através de softwares, já que os aparelhos precisariam ser reconfigurados para abarcar o dialeto.”

Enquanto alguns representantes no Brasil tentam empurrar essa ideologia, em maio deste ano, o Ministro da Educação da França, Jean-Michel Blanquer, encaminhou um comunicado proibindo a utilização do pronome de gênero neutro no ensino francês. 

Segundo o comunicado, o gênero neutro na língua, “não é apenas contraproducente para este movimento, mas prejudicial à prática e inteligibilidade da língua francesa”.

“A academia francesa concluiu que, esse tipo de linguagem, ‘iles’ ‘ilix’, ‘amigues’, não combate preconceito nenhum, só deixa a coisa ainda mais ridícula e é preciso que o governo, as autoridades, tomem alguma medida”, comentou a deputada estadual por Santa Catarina Ana Caroline Campagnolo, em vídeo postado em sua rede social. 

A deputada ainda pontuou que “essa é uma questão de cultura e de história”, pois “a formação de um país se dá pelo território, pelo povo, pela religião e pela língua e destruir a língua de um povo é destruir a identidade natural desse povo”, completou.


PT ignora a norma culta da língua portuguesa e vai ao STF questionar decreto que proíbe o uso de pronome neutro em Santa Catarina
  • Rafaela Dias / Foto: iStock 


reportar erro