Rede aleluia
Professores brasileiros têm os piores salários da OCDE, diz estudo
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de Setembro de 2021 - 16:29


Professores brasileiros têm os piores salários da OCDE, diz estudo

Relatório sobre o impacto da pandemia na Educação também mostra que o Brasil foi o último a abrir as escolas pré-primárias

Professores brasileiros têm os piores salários da OCDE, diz estudo

A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta quinta-feira (16) um relatório sobre o impacto da pandemia de coronavírus na educação. No Brasil, o estudo destaca dois problemas, um mais antigo, a baixa remuneração dos professores brasileiros, e um mais recente: o Brasil foi o último país do grupo a abrir as escolas para as crianças da educação infantil.

Pandemia no Brasil deixa 5 milhões sem escola, diz estudo da Unicef

O estudo da OCDE aponta que o salário médio dos professores no Brasil é inferior ao das 37 nações do bloco e dos três países parceiros representados no levantamento. Em média, um docente brasileiro recebe R$ 131.407 (US$ 25.030) por ano no nível pré-primário, R$ 133.171 (US$ 25.366) no nível primário, R$ 135.135 (US$ 25.740) no nível secundário inferior geral e R$ 140.301 (US$ 26.724) no nível secundário superior geral.

Entre os países da OCDE, as remunerações médias anuais dos professores eram de R$ 213.711 (US$ 40.707), R$ 239.856 (US$ 45.687), R$ 251.937 (US$ 47.988) e R$ 271.682 (US$ 51.749) no pré-primário, primário, secundário inferior e superior, respectivamente. Apesar de receberem os maiores salários, os profissionais de nível universitário no Brasil têm uma remuneração 48,4% inferior em relação à média mundial.

A questão salarial está relacionada ao baixo investimento em Educação e ao dilema entre aumentar os salários dos professores ou contratar mais profissionais para reduzir o tamanho das turmas.

O Brasil tem diminuído o tamanho das turmas na educação básica, tanto no ensino fundamental como no médio. Entre 2013 e 2019, caiu de 23 para 20 alunos por turma no ensino fundamental e de 28 a 26 estudantes no ensino médio. Em 2019, o tamanho das classe já estava abaixo da média da OCDE:  21 no fundamental, mas acima da média no ensino médio, 23 alunos por sala.

As mulheres dominam a profissão na educação básica, chegando a ocupar 88% das salas de aulas da educação infantil, mas estão mal representadas na educação superior, com apenas 46% dos postos de trabalho em 2019.

Impacto da Pandemia

A disseminação da covid-19 obrigou países de todo o mundo a fechar as escolas, mas dos países que compõem a OCDE, o Brasil foi o último a voltar presencialmente nas escolas pré-primárias. E na educação básica como um todo, só ficou atrás do México,

Ambos os países totalizaram mais da metade dos dias de 2020 com as instituições de ensino fechadas para conter a disseminação do novo coronavírus. Por outro lado, Dinamarca, Alemanha e Nova Zelândia somaram menos de 25 dias do ano com as escolas lacradas.

O impacto da pandemia e do fechamento de escolas na equidade educacional têm sido uma preocupação — 30 dos 36 países da OCDE e parceiros pesquisados, incluindo o Brasil, declararam que medidas adicionais foram tomadas para apoiar a educação de crianças que podem enfrentar barreiras à aprendizagem durante a pandemia. Vários países afirmaram que haviam subsidiado dispositivos para os alunos para ajudá-los a acessar a educação.

91% dos estudantes continuaram as aulas na pandemia, diz Unicef

No relatório, a OCDE destaca a iniciativa de Goiás com o Programa de Recondicionamento de Equipamentos Eletrônicos que doou computadores e dispositivos recondicionados para escolas e organizações para alunos sem conexão com a internet.

Medidas para incentivar os alunos desfavorecidos ou vulneráveis ​​a voltar para a escola após o fechamento também foram implementado em 29 países da OCDE e parceiros, inclusive no Brasil. Em diferentes estados brasileiros houve a distribuição de merenda escolar.

Antes da pandemia, o gasto público total em escolas primárias, secundárias e a educação pós-secundária não superior no Brasil atingiu 4% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2018, que foi superior à média da OCDE de 3,2%. Cerca de dois terços da OCDE e parceiro países relataram aumentos no financiamento alocado para escolas primárias e secundárias para ajudar para enfrentar a crise em 2020. Em comparação com o ano anterior, o Brasil não relatou nenhuma mudança no orçamento de educação inferior em 2020 e 2021.

O impacto da pandemia na economia levantou preocupações sobre as perspectivas dos jovens adultos, especialmente aqueles que abandonam os estudos mais cedo do que outros. No Brasil, a taxa de desemprego entre 25 e 34 anos de idade com conclusão do ensino médio foi de 17,8% em 2020, um aumento de 3 pontos percentuais em relação ao ano anterior. Este foi um aumento maior do que a média da OCDE, onde a taxa de desemprego juvenil de 15,1% em 2020 representou um aumento de 2 pontos percentuais a partir de 2019.


Professores brasileiros têm os piores salários da OCDE, diz estudo
  • Karla Dunder e Alexandre Garcia, do R7 / Foto: Istock 


reportar erro