Rede aleluia
Professor: profissão essencial, mas desvalorizada
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de Outubro de 2021 - 00:05


Professor: profissão essencial, mas desvalorizada

Durante a pandemia, os profissionais da educação viram problemas antigos se agravarem e lutam para manter a tarefa de mudar o futuro por meio do ensino

Professor: profissão essencial, mas desvalorizada

Ser professor no Brasil é um verdadeiro desafio. Lidar com a pouca estrutura – principalmente das escolas públicas –, com o desinteresse dos alunos e com a falta de reconhecimento da sociedade e do poder público estão entre as principais queixas citadas por esse grupo.

Um levantamento realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revelou que a remuneração de um professor no Brasil é menor do que a recebida nos 37 países que compõem o bloco e outros três parceiros que participaram da pesquisa. Só para se ter uma ideia, enquanto um profissional brasileiro recebe R$ 131.407 por ano para lecionar a turmas no nível pré-primário, a média entre os países da OCDE é de R$ 213.711, ou seja, quase cerca de R$ 100 mil a mais.

Proporções semelhantes se repetem entre os docentes de nível primário, secundário e superior. Os professores universitários são os que possuem a maior remuneração no Brasil, porém, de acordo com o levantamento, o salário deles é 48,4% menor do que a média mundial.

Pandemia
Ao longo dos últimos meses, o professor teve de enfrentar um novo desafio: a pandemia. Para manter uma rotina mínima no ensino, os gestores da área implantaram o sistema remoto de aulas, mas isso gerou problemas para alunos que não tinham equipamentos nem acesso à internet. Além disso, muitos professores não tinham conhecimento para lidar com a tecnologia imediatamente. Um levantamento do Instituto Tim revelou que quase 70% dos professores entrevistados em todo o Brasil tiveram dificuldade para se adaptar a essa realidade.

Hoje, mais adaptados, os profissionais enfrentam o ensino híbrido e têm a missão de estimular o interesse dos alunos, já que cerca de 172 mil estudantes brasileiros deixaram de frequentar as escolas em 2020, segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Apesar das dificuldades, os professores estão na linha de frente para estimular a educação e combater a evasão escolar, o analfabetismo e a desigualdade social. “Ser um profissional da educação é ser aquele profissional que cuida do futuro do país. Sem educação não há progresso, não há desenvolvimento, não há cidadania”, afirmou o Ministério da Educação (MEC) em artigo publicado no Dia Nacional dos Profissionais de Educação, em 6 de agosto.

No chão da escola
Ronaldo Silva Rodrigues Waffer, (foto abaixo) de 30 anos, conhece bem a realidade do professor no Brasil. Mestre em educação, ele é professor de língua portuguesa e inglesa desde 2011 e hoje atua na rede municipal de ensino de São Paulo e de Itapecerica da Serra.

A decisão de se tornar professor foi tomada ainda na infância. “No Nordeste, eu tive uma excelente educação, mas com muitas dificuldades. Vendo tantas desigualdades e pessoas querendo aprender, mas sem mão de obra humana, vi a necessidade de ser professor.

Surgiu dentro de mim a vontade de ensinar e de alfabetizar, principalmente meu pai, que era lavrador e analfabeto”, relembra. Por isso, para Ronaldo, sua profissão é muito mais do que cumprir uma carga horária: “ser professor é transformar vidas por meio do palco que é o chão da escola”.

Mesmo sendo essenciais para o futuro do país, os profissionais da educação precisam superar obstáculos diários, principalmente nesse período de pandemia. “A primeira grande dificuldade é alcançar os alunos, já que muitos não têm as ferramentas tecnológicas ou não possuem acesso à internet”, diz.

A quebra da rotina diária também foi um dos fatores que mudaram o dia a dia de Ronaldo e de milhões de professores. “Também tivemos que nos adaptar à tecnologia. Nenhum professor da rede pública estava preparado para lecionar de forma remota. Então viramos youtubers do dia para noite. A falta de formação nessa área nos prejudicou”, ressalta.

Segundo ele, ao longo da pandemia muitos pais perceberam a importância do professor. “Muitos nos agradeceram, choraram e deram graças a Deus pelo nosso retorno porque não estavam conseguindo conciliar o trabalho e a educação dos filhos.”

Mesmo em meio às dificuldades da área, Ronaldo explica por que vale a pena continuar lecionando: “a partir do momento que eu incentivo meu aluno, estou preparando um médico, que amanhã pode me operar, um dentista, um advogado e formando alguém para a vida.”

Participe
Todos os anos o dia 15 de outubro é dedicado a homenagear os professores. A Universal também realizará uma celebração para eles. No domingo, dia 17 de outubro, em todos os templos do Brasil, haverá a consagração desses profissionais. No Templo de Salomão, o Bispo Renato Cardoso fará uma oração especial às 9h30. Convide todos os professores e participe!


Professor: profissão essencial, mas desvalorizada
  • Cinthia Cardoso / Fotos: Getty images e arquivo pessoal 


reportar erro