Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de janeiro de 2018 - 02:05


Procuradoria Geral de Portugal não detecta irregularidade em processo de adoção no Lar Universal

Além disso, Universal ganha direito de resposta a artigo do site Observador, segundo a Lei de Imprensa do país

A Procuradoria-Geral da República em Portugal não detectou qualquer irregularidade no processo de adoção de crianças feita no Lar Universal, mantido pela Igreja Universal no país, na década de 1990.

A declaração foi divulgada em nota à imprensa, conforme noticiou o jornal Folha de São Paulo, um dos maiores jornais de circulação no Brasil (segundo a Associação Nacional de Jornais), no dia 15 de janeiro último.

À época, a atual procuradora Joana Marques Vidal era coordenadora do Ministério Público no Tribunal de Família e Menores de Lisboa (capital) e responsável por averiguar e autorizar os processos de adoção.

Nem naquela ocasião e nem agora, após a denúncia da TVI, emissora de televisão de Portugal, encontrou-se algum ato ilícito no processo.

Acompanhe abaixo o vídeo com a matéria do noticiário televisivo Fala Portugal, aonde apresenta-se o fato:



Entenda o caso

O Lar Universal acolhia crianças em situação de risco encaminhadas por hospitais, pela Assistência Social, pela Polícia e pela Justiça.

Recentemente, a Igreja Universal do Reino de Deus tem sido vítima de um ataque midiático promovida pela TVI, o qual afirma repetidas vezes que os pais não foram citados no processo judicial que avaliava a adoção de três irmãos acolhidos no Lar.

Em nota, a assessoria de imprensa da Universal (UNIcom) desmente a acusação: “É mentira. Nos autos da ação consta que eles foram legalmente informados do curso do processo”.

Direito de resposta à Universal

No mesmo dia em que a matéria foi exibida no telejornal português, a Universal recebeu o direito de resposta, segundo termos da Lei de Imprensa de Portugal (artigo 24.º da Lei nº.2/99, de 13 de Janeiro), publicado no site Observador e referente ao artigo “Ministério Público investiga rede de adoções ilegais de crianças da IURD”.

Exercendo esse direito, a Universal afirmou que “A IURD apenas manteve um Lar de Crianças em Lisboa, o qual era inclusive elogiado pela Segurança Social, e nele eram colocadas crianças encaminhadas pela Segurança Social e com autorização do Tribunal, designadamente por serem vítimas de maus tratos e negligência pelos respectivos pais”.

Ao contrário do que afirmou a referida reportagem da TVI, também “é falso que as crianças fossem disponibilizadas numa espécie de catálogo para serem levadas para o Brasil. De entre as crianças que se encontravam no Lar e que foram adotadas, apenas uma minoria o foi por pessoas ligadas à IURD, e as pessoas que poderiam ter essa ligação e pretendiam adotar crianças iniciavam um processo pessoal seu, sem qualquer intervenção da IURD, processo esse que corria nos tribunais de acordo com as formalidades necessárias e com as garantias inerentes.”

Assim sendo, a informação de que a IURD roubaria crianças de suas famílias ou as manteria ilegalmente é repudiada. Como acompanhou, investigou e concluiu a Justiça portuguesa, o lar de auxílio às crianças sempre agiu legalmente em benefício dos menores. Veículos de imprensa de grande destaque na sociedade brasileira, como a Rádio Cultura FM-SP, o site UOL e o jornal Folha de S. Paulo têm noticiado o parecer da Justiça de Portugal, que não vê irregularidades na atividade da Universal ao auxiliar crianças em situação de risco.

Outra notícia falsa publicada a respeito desse caso foi “Aliança Evangélica solidária com vítimas: ‘IURD não respeita valores e princípios’”, divulgada pelo site Observador. Nesse caso, o veículo de comunicação chegou a afirmar que a IURD manteve uma rede de tráfico de crianças.

Como já foi comprovado anteriormente, “A referida instituição recebia crianças, todas elas lá colocadas no seguimento de pedidos de proteção e promoção, emitidos por tribunais ou pelas próprias comissões especializadas na proteção de menores”, explicou a Universal em seu direito de resposta cedido pela Justiça de Portugal. “Os processos de adoção não padecem de qualquer vício formal ou ilegalidade. Ao contrário do que é afirmado, foi sempre assegurado o direito ao contraditório dos pais biológicos que, inclusive, foram regularmente citados no âmbito das ações de confiança judicial com vista a futura adoção, como aliás consta expressamente de documentos que integram os referidos processos judiciais.”

Mentiras sobre os netos do bispo Edir Macedo

Outro veículo de comunicação que aderiu à campanha de mentiras e difamações contra a Universal foi o jornal Público. Em matéria entitulada “Netos do fundador da IURD ‘roubados’ em Portugal e levados para o Brasil, acusa investigação da TVI”, a publicação dá espaço para as calúnias criadas pela emissora de televisão já citada.

O Público afirma na reportagem que dirigentes da Universal seriam responsáveis pelo tráfico infantil e, dessa maneira, teriam roubado crianças para entregar à família do fundador e líder da Universal, bispo Edir Macedo.

A Justiça de Portugal, uma vez mais, concedeu direito de resposta à Universal, que afirma: “Estas crianças foram retiradas à família biológica pelas entidades competentes, por a mesma não ter condições de dar aos menores a qualidade mínima de vida exigida para uma criança. O processo em causa seguiu todos os trâmites legais, tendo sido decidido por tribunais portugueses, contado com o envolvimento de todas as entidades competentes, como a Segurança Social e a Santa Casa da Misericórdia e culminado na decisão de adoção dos menores. No âmbito desse mesmo processo judicial consta como tendo ficado provado que os pais biológicos dos menores eram toxicodependentes e que há cinco anos haviam deixado de procurar os filhos, após os terem abandonado em casa de uma ama. É ainda referido pelo Tribunal que, enquanto os menores viveram com os progenitores habitavam uma casa sem móveis, suja, sem electricidade e sem condições mínimas de habitabilidade e não lhes eram prestados os cuidados mínimos de saúde e alimentação.”

A mesma informação foi transmitida pelo Diário de Notícias, com o título “Crimes de adoções ilegais na IURD investigados pela TVI prescreveram”. Ali, inclusive é relatado o caso de três irmãos que teriam sido roubados.

Na verdade, as crianças foram entregues ao Lar pela Justiça de Portugal. Em seu direito de resposta, a Universal afirma:

“É falso que tenha existido qualquer manipulação dos processos, que tenham sido forjados documentos ou falsificada informação. Os processos de adoção não padecem de qualquer vício formal ou ilegalidade. A IURD repudia veementemente a afirmação de que as crianças foram roubadas, sem mais, aos pais biológicos. A verdade é que as crianças que eram colocadas no Lar foram retiradas às famílias biológicas pelas entidades competentes por se encontrarem em situação de perigo e por não terem as condições necessárias ao seu desenvolvimento junto da família biológica.”

Diante da comprovada honestidade da Universal, o Observador voltou a agir, em nova tentativa de desmoralizar a instituição, publicando o artigo “IURD: netos de Edir Macedo regressaram ao Brasil aliciados pelo dinheiro”.

Dessa vez o veículo afirmou que os filhos do bispo Júlio Freitas e Viviane Freitas e do bispo Romualdo Panceiro e Márcia Panceiro voltaram a viver com seus pais adotivos por interesse financeiro.

Novamente a Justiça portuguesa, com base no Artigo 24º da Lei da Imprensa, concedeu direito de resposta à Universal, que declarou:

“No que diz respeito a Fábio, foi o próprio que contactou o Bispo Romualdo e a sua esposa, Márcia, em busca de ajuda para tratar o seu problema de toxicodependência. O Bispo e a sua esposa limitaram-se a aceder ao pedido de ajuda de um jovem maltratado pela vida e com um vício do qual não se conseguia curar, acolhendo-o de braços abertos em sua casa.

Por sua vez, Vera e Luís, após atingirem a maioridade, decidiram, de livre e espontânea vontade, sair de casa e procuraram o auxílio de Viviane e Júlio Freitas, por quem nutriam um grande carinho e que prontamente aceitaram recebê-los.

Nenhuma das crianças, ora jovens adultos, foi ‘aliciada’ ou ‘convencida’ ao que quer que seja. Sempre tomaram as suas decisões, em consciência, e fizeram as suas próprias escolhas.”

A Universal repudia “todas as imputações e falsas afirmações que o artigo lança sobre a nossa Igreja, exigindo a reposição da verdade, para salvaguarda da reputação de todos aqueles que partilham a nossa fé”.


  • Da Redação / Foto: Reprodução 


reportar erro