Rede aleluia
Por que a infecção urinária é comum em mulheres?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de julho de 2019 - 00:05


Por que a infecção urinária é comum em mulheres?

Até mesmo as alterações hormonais podem contribuir para o surgimento da doença. Saiba mais

Por que a infecção urinária é comum em mulheres?

O corpo feminino necessita de cuidados especiais. Até mesmo na hora de urinar é preciso prestar atenção a alguns sintomas, como ardência e coloração diferente da urina, pois eles podem indicar uma infecção urinária.

O ginecologista Alexandre Chieppe explica que a infecção urinária é um quadro infeccioso que pode ocorrer em qualquer parte do sistema urinário, como rins, ureteres, bexiga e uretra.

A infecção pode ser causada por diferentes tipos de bactérias, que entram pela uretra e frequentemente se multiplicam na bexiga. “Ela pode comprometer somente o trato urinário baixo (bexiga e uretra), que é a cistite, ou afetar simultaneamente o trato urinário inferior e o superior (rins e ureteres). Neste caso, utiliza-se a terminologia infecção urinária alta, também denominada pielonefrite”, conta o médico.

Ele afirma que a infecção de urina é mais comum nas mulheres por causa da anatomia delas. “As mulheres têm a uretra (canal que conduz a urina da bexiga para fora do corpo) mais curta do que os homens. A proximidade do ânus, da vagina e da entrada da uretra favorece a migração de bactérias até a bexiga”, detalha.

Sintomas
Ardência forte ao urinar, urina escura, com sangue, com odor forte, dor abdominal ou lombar, aumento da frequência de micções mesmo que em pouca quantidade, perda involuntária de urina e febre são alguns sintomas deste tipo de infecção.

Causas
Existem fatores que aumentam o risco de contrair essas infecções, como vida sexualmente ativa, uso de alguns tipos de contraceptivos, como espermicidas, presença de cálculo renal, comprometimento do sistema imunológico, uso de cateter para urinar, diabetes e higiene íntima deficiente, entre outros. Mulheres na menopausa também estão mais suscetíveis, pois a falta do hormônio estrogênio deixa o trato urinário mais sensível à ação das bactérias.

Prender a urina também pode aumentar o risco de infecção. “Uma vez que a urina é retida, há maior possibilidade de proliferação de bactérias dentro da bexiga. Tão importante como evitar prender a urina é ingerir líquidos de forma regular.”

Chieppe enfatiza que a infecção urinária deve ser tratada o mais rápido possível. Caso contrário, pode atingir os rins e se tornar a grave pielonefrite. Se não tratada, pode evoluir para a sepse, uma infecção generalizada com alta taxa de mortalidade. Por isso, em caso de sintomas, procure ajuda médica imediatamente.

Segundo um levantamento da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Instituto Latino-Americano de Sepse (Ilas), a cada ano morrem mais de 230 mil pacientes adultos em decorrência da sepse. A estimativa é assustadora: 55,7% dos pacientes internados morrem.

O diagnóstico da infecção urinária é feito por meio do exame de urina e tratamento é feito com antibióticos e com hidratação corporal.

O ginecologista orienta manter uma higiene íntima adequada, ingerir bastante líquido e não reter a urina. Recomenda-se também, sempre que possível, a micção após a relação sexual. Cuide-se!


Por que a infecção urinária é comum em mulheres?
  • Kelly Lopes / Foto: Gettyimages 


reportar erro