Rede aleluia
Pastor é morto e índice de cristãos assassinados cresce na Nigéria
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de Setembro de 2021 - 15:59


Pastor é morto e índice de cristãos assassinados cresce na Nigéria

Relatório afirma que 43 mil cristãos nigerianos perderam a vida no último ano

Pastor é morto e índice de cristãos assassinados cresce na Nigéria

Os ataques jihadistas aos cristãos nigerianos têm alarmado os noticiários no país. No último sábado, 11 de setembro, o jornal Punch News Nigeria noticiou o assassinato do pastor Silas Yakubu Ali. Ele estava desaparecido e seu corpo foi encontrado um dia depois, com vestígios de ataques que resultaram na sua morte.

No mês passado, outro caso divulgado pelo Morning Star News, causou comoção no país. Onde 40 cristãos foram mortos em uma série de ataques, entre eles doze crianças. A primeira investida aconteceu na noite do dia 25 de agosto, onde 16 cristãos foram mortos com facões e armas e outros 17 queimados vivos até a morte.

Já no dia 15 do mesmo mês, mais sete cristãos foram assassinados, incluindo três estudantes universitários.

“Islâmicos radicais mataram minha sobrinha enquanto ela voltava da igreja! Deixe o sangue dela falar!”, afirmou Godwin Tengong, tio de uma das estudantes assassinadas, chamada Bitrus Danboyi, em relato ao Morning Star News.

Outro familiar da vítima afirmou que ela é uma verdadeira mártir. “Nossa perda, mas o ganho do céu. Jesus permanece Senhor!”, declarou Daniel Dalyop.

Crueldade crescente

De acordo com relatório divulgado pela Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito (Intersociety), uma organização sem fins lucrativos sediada na Nigéria, 43 mil cristãos foram mortos por radicais islâmicos no último ano. Sendo que 18,5 mil desapareceram de forma permanente. Além disso, os registros apontam ainda que 17,5 mil igrejas foram atacadas, 10 milhões de cristãos erradicados e cerca de 2 mil escolas cristãs invadidas.

Entre as crueldades dos radicais islâmicos, focadas principalmente nos cristãos, estão massacres, assassinatos, mutilações, corte de gargantas e úteros, decapitações, tortura, mutilação, abduções, tomada de reféns, estupro, contaminação de meninas, casamentos forçados, desaparecimentos, extorsões, conversões forçadas e destruição ou incêndio de casas e adoração sagrada e centros de aprendizagem, assim como ocupação forçada de fazendas, destruição e colheita forçada de safras agrícolas e outros atos.

Sinais da Volta de Jesus 

Registrado na Bíblia, mas especificamente no livro de Mateus, Jesus explicou que os tormentos e perseguições com aqueles que creem em Seu Nome, seriam alguns dos sinais da Sua volta e do início do fim.

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do Meu nome.” Mateus 24:9

Para saber mais sobre o fim dos tempos e os sinais da volta de Jesus, todo domingo, às 18h,  acontece o Estudo do Apocalipse, no Templo de Salomão em São Paulo. Também é possível acompanhar pelo Univer Vídeo.


Pastor é morto e índice de cristãos assassinados cresce na Nigéria
  • Isabel Tavares / Foto: iStock 


reportar erro