Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de janeiro de 2019 - 00:05


“Parecia que eu estava apenas vagando no mundo”

Maristela se automutilava e usava drogas para tentar se livrar dos sintomas da depressão

Maristela Sant’Ana Oliveira, de 23 anos (foto acima), carregou em sua adolescência um grande vazio interior. A sensação de estar sempre sozinha, mesmo que estivesse com muitos amigos à sua volta, era constante. “Aos 13 anos comecei a apresentar sintomas de depressão. Eu chorava muito, não comia direito, não queria mais sair de casa e me via no fundo do poço. Era algo que me sufocava e eu só queria me livrar daquilo”.

Em busca de paz interior, ela aceitou o convite de amigos para conhecer as drogas e o álcool. “Usei maconha e cocaína por quase três anos. Além das drogas, cheguei a ponto de entrar em coma alcoólico. Naquele momento, eu já não via sentido em mais nada. Parecia que eu estava apenas vagando no mundo”, relembra.

Frustrada por não encontrar a paz que tanto procurava, Maristela passou a se automutilar. Ela começou a fazer pequenos cortes nos braços. Quando se deu conta, já estava fazendo cortes profundos nos tendões. Segundo Maristela, apesar de saber que aquilo era ruim, ela tinha uma sensação de prazer momentânea. “Vivia um êxtase por alguns minutos e depois já vinha o sentimento de culpa, de incapacidade e de fraqueza. Fiz isso várias vezes, além de tentar o suicídio tomando veneno”, conta Maristela.

O convívio com a família, que antes era normal, se tornou difícil, já que Maristela tinha que se esconder das pessoas mais próximas para que elas não vissem as marcas nos seus braços e a questionassem. “Depois que eu comecei a usar drogas e a me mutilar, me afastei de todos e dos meus pais para evitar julgamentos”, declara.

Graças a um convite, a jovem conheceu o trabalho realizado pela Força Jovem Universal (FJU). Diferentemente do que faziam muitas pessoas e muitos lugares, Maristela conta que encontrou ajuda e não julgamentos ao chegar à Universal. “Tive um encontro com Deus, ao conhecer o Senhor Jesus, e foi a maior e melhor experiência do mundo.”

Depois que a jovem conheceu a Verdadeira Paz, ela não precisou mais consumir bebidas alcoólicas e drogas e não tem mais desejo de se cortar. Hoje ela afirma que seu interior foi totalmente preenchido com o amor de Deus. “O que Deus fez na minha vida foi um verdadeiro milagre. Para muitos eu não tinha nenhuma perspectiva de vida, mas Ele não me viu assim”.


  • Camila Dantas / Fotos: Miguel Brandão/MIDIA FJU e Cedidas 


reportar erro