Rede aleluia
Pandemia de ansiosos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Abril de 2022 - 23:23


Pandemia de ansiosos

A OMS afirmou que o Brasil é o país com mais ansiosos no mundo. Entenda

Pandemia de ansiosos

O Brasil tem o maior número de ansiosos no mundo, afetando 18,6 milhões de brasileiros, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por que isso importa:

Diante de tantas notícias e o crescimento agravante de casos de ansiedade, o tema foi assunto do programa Fala Que Eu Te Escuto desta quinta-feira (14). Especialistas pontuaram o que pode estar contribuindo para o aumento dos casos do transtorno, principalmente entre os jovens.

Com apresentação do Bispo Carlos Cucato, foi perguntado ao público se o que define os jovens problemáticos seria a “superficialidade, o despreparo para o futuro ou a liberdade desenfreada.”

Entenda as opiniões de pais e especialistas:

  • “Esses jovens – tidos como problemáticos – são formados em uma família disfuncional, o que os faz não entender os limites próprios, nem os dos outros. Por isso, tendo as funções superficiais na família, o filho também tende a ser mais superficial e fazer escolhas pela aparência”, explicou a psicoterapeuta Flávia Bessoni.
  • Uma mãe, que participou pelas redes sociais, também acredita que a causa disso é a superficialidade. “Acredito que a causa disso é a superficialidade; tenho uma filha de 14 anos, que tinha crises de ansiedade. Dizer ‘não’, nem pensar; queria tudo na hora dela. Agora está fazendo tratamento psicológico e, hoje, entende mais o valor das coisas e do tempo”, comentou ela durante o programa.  
  • Já outra especialista comentou que essa é a forma deles comunicarem um problema que nasceu na infância. “Muitos adolescentes se apresentam de forma problemática, ansiosa ou depressiva, porque viveram uma infância opressora, onde as suas necessidades emocionais não foram atendidas. Então, é necessário compreender que todo comportamento humano é uma comunicação”, disse a neuropsicopedagoga Beatriz Montenegro.
Clique aqui para assistir ao programa na íntegra e conferir mais depoimentos de especialistas.

O que fazer:

Se você se identifica com isso, e percebe que tem tido sintomas de ansiedade, além de procurar ajuda médica, participe das reuniões que acontecem na Universal, pois a depressão, ansiedade e outros problemas que são, aparentemente, incuráveis, têm origem espiritual.

Participe no Templo de Salomão, na Avenida Celso Garcia, 605, Brás, zona leste da capital paulista, às 7h, 10h, 12h, 15h e 20h. Ou em uma Universal mais perto de você.


Pandemia de ansiosos
  • Isabel Tavares / Foto: iStock e Reprodução 


reportar erro