Rede aleluia
Os dois Brasis
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de Novembro de 2022 - 00:05


Os dois Brasis

Os dois Brasis

As eleições presidenciais demonstraram que estamos em um país dividido: duas ideologias, duas pautas, duas formas de governar o País diametralmente opostas foram colocadas em votação. Os candidatos representaram duas correntes de forças: uma de estilo esquerdista e outra com perfil de direita. O povo brasileiro teve a oportunidade de provar e escolher por qual delas queria ser governado.

Apesar de o resultado das eleições estar sendo questionado, o quadro que nos é apresentado até aqui é de um país polarizado e ousamos afirmar de temos dois Brasis dentro da mesma nação. No primeiro turno, a diferença de votos entre os dois candidatos foi de cerca de 5 pontos percentuais. Mas, no segundo, a diferença foi de menos de 2 pontos percentuais entre o que teve mais votos e o menos votado (60 milhões e 58 milhões, respectivamente).

Lula e seus seguidores estão ávidos pelo poder. Logo depois do resultado das eleições ter sido anunciado, já bateram às portas do Palácio do Planalto para iniciar a transição de governo. Os petistas imaginam que vão aprovar as pautas esquerdistas facilmente. A arrogância com que tratam seus opositores quando chegam ao poder não os faz enxergar que não vai ser fácil como eles fizeram outrora, quando o povo brasileiro foi iludido com suas promessas de campanha.

Os protestos realizados por todo o Brasil são um indicativo do que aguarda o governo esquerdista. As eleições fizeram ressurgir o sentimento de patriotismo de direita, com valores bem definidos, e isso se tornou maior do que uma pessoa ou uma liderança política.

Metade do povo brasileiro não aceita a agenda socialista que Lula e seus correligionários querem implantar no País.

Ideologia de gênero nas escolas para crianças e adolescentes e financiamento de ditaduras comunistas na América Latina e na África com os cofres públicos, como a esquerda brasileira já fez um dia, terão séria e combativa resistência. Os movimentos de direita foram repaginados e contam com organização, apoio técnico e mobilização nunca antes vistos na história do Brasil.

A metade da nação brasileira não aceita ser governada por uma pessoa que passou uma temporada na cadeia, sob a acusação de crimes de corrupção, de desvio do dinheiro público e que só voltou ao cenário político por um entendimento enviesado, criado pelo Supremo Tribunal Federal, e por falhas na lei processual penal, que beneficiaram o líder dos petistas e ressuscitou o cadáver político denominado Lula.

Ele já sabe que vai governar um país dividido, com um Congresso majoritariamente conservador e contrário ao estilo petista de tratar os cofres públicos. Além disso, a direita brasileira que se reinventou conta com um quadro qualificado e conhecimento jurídico, econômico e social, que está pronto para resistir aos desmandos que porventura surjam em um eventual governo petista.

Lula, como raposa velha que é, sabe que vai ter que enfrentar o terceiro turno, que é o Congresso Nacional e a metade da população brasileira, que está vigilante e atenta aos movimentos e ideais que sairão do Palácio do Planalto. Duas forças emergem para fazer frente ao modo petista de administrar os cofres públicos: um Congresso Nacional de maioria de direita e metade da população que se organiza por todo o Brasil.

Espera-se que Lula e seus auxiliares, que querem voltar a ter trânsito livre com a chave dos cofres dos ministérios em Brasília, tenham aprendido a lição, quando ele passou 580 dias na prisão e sua pupila Dilma Rousseff foi apeada do poder. Todos eles sabem que o instituto do impeachment está em pleno vigor e que as operações da Polícia Federal, que desvendaram um dos maiores esquemas de corrupção do mundo, podem voltar e levar Lula novamente para trás das grades.

Ninguém mais aceita que os cofres públicos sejam usados para outros fins, a não ser o de servir à nação brasileira que paga elevada carga de impostos. A responsabilidade fiscal e a probidade administrativa estão na ordem do dia e, se Lula e seus comparsas voltarem à prática do que os levou para o banco dos réus, tanto a Polícia Federal quanto o povo brasileiro vão se mobilizar para conduzi-los novamente para mais uma estadia na carceragem da Papuda.

Denis Farias é advogado, professor e consultor jurídico


Os dois Brasis
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro