Rede aleluia
ONU criaria lista de inimigos dos LGBTs?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de Fevereiro de 2021 - 17:38


ONU criaria lista de inimigos dos LGBTs?

Fundação americana alerta para pesquisa realizada por colaborador das Nações Unidas

ONU criaria lista de inimigos dos LGBTs?

O Centro para a Família e os Direitos Humanos (C-Fam), entidade da direita dos Estados Unidos da América (EUA) que visa proteger a família e os valores tradicionais, realizou recentemente um alerta sobre um relatório que está sendo elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Seria uma “lista de países e líderes que odeiam a comunidade LGBT”.

O vice-presidente de Estudos Jurídicos do C-Fam, Stefano Gennarini, afirmou em artigo publicado no site da entidade:

“Políticos, líderes religiosos e organizações de todo o mundo que defendem a vida e a família provavelmente serão colocados em uma lista de inimigos do escritório de direitos humanos da ONU. A nova medida drástica pode ser usada para impor sanções aos defensores da família e expô-los a ataques terroristas”.

A origem da lista

O artigo de Gennarini é baseado no trabalho de um especialista em direitos LGBT independente que presta colaborações para a ONU, o ativista Víctor Madrigal-Borloz. Embora sua opinião não represente necessariamente a opinião da ONU, ele conta com o apoio da instituição para realizar suas atividades. Inclusive, a pesquisa para elaboração do relatório citado está disponível no site da entidade.

A pesquisa defende que gênero é “inextricavelmente vinculado à construção social” e “que os significados atribuídos às diferenças sexuais (e outras) são criados socialmente”. Madrigal-Borliz ainda afirma que a identidade de gênero não necessariamente se correlaciona com o sexo biológico e reconhece “uma validade de uma ampla gama de orientações sexuais e identidades de gênero”.

Para responder ao questionário, o pesquisador conclama todas as entidades e pessoas que tenham algo a dizer sobre o assunto. As respostas serão postadas no site da ONU e um relatório será apresentado na 47ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da entidade.

Oficialmente, não há qualquer plano de elaborar uma lista de inimigos da comunidade LGBT. O objetivo descrito é documentar como as narrativas de proteção à família e tradições “estão sendo usadas para alimentar a violência e a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero e seu impacto específico sobre os direitos sexuais e reprodutivos”, afirma a pesquisa.

Para alcançar seu objetivo, há perguntas sobre ações do Estado e das igrejas, questionando as atitudes e discursos e dando a entender que essas instituições colocam em risco membros da comunidade LGBT. Inclusive, a seguinte pergunta está no documento:

“A educação sexual abrangente é ensinada nas escolas?”

Madrigal-Borloz afirma que pretende convencer a ONU sobre “o papel fundamental da lei, das políticas públicas e do acesso à justiça na promoção da continuidade da injustiça ou da mudança social”.

Embora elaborar a lista de inimigos não seja o objetivo declarado da ONU, recentemente a entidade deu voz a Madrigal-Borloz para que ele questionasse a atitude de nações soberanas em relação às chamadas “terapias de reversão sexual”. No Brasil, a prática é proibida, mas nos EUA e na União Europeia qualquer religião é livre para atuar nesse sentido.

De acordo com o ativista, independentemente da opinião das nações, a prática deve ser proibida pois, entre outras coisas, essas práticas constituiriam violação da livre expressão da orientação sexual e da identidade de gênero de uma pessoa”.

Essa não é a primeira vez que a ONU se mostra a favor da ideologia de gênero. Em 2020, a entidade elaborou uma lista de termos a serem evitados por conta da “igualdade de gênero”.


ONU criaria lista de inimigos dos LGBTs?
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro