Rede aleluia
OMS retoma testes com hidroxicloroquina
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 4 de junho de 2020 - 23:56


OMS retoma testes com hidroxicloroquina

Análise demonstrou que não há maiores riscos a pacientes tratados com o remédio

OMS retoma testes com hidroxicloroquina

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira (3) que reiniciará os testes da hidroxicloroquina como tratamento para a COVID-19. A decisão foi tomada após a entidade analisar os estudos já realizados com a droga e não encontrar aumento na mortalidade dos pacientes.

Os estudos de tratamento com hidroxicloroquina foram paralisados em 25 de maio, após a revista especializada em saúde “The Lancet” publicar um estudo que demonstrava aumento de problemas cardíacos em pacientes que utilizaram a hidroxicloroquina, além do aumento de mortes em geral.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, explicou que, desde então, a entidade revisou todos os estudos apresentados e “com base nos dados sobre mortalidade disponíveis, os membros do comitê decidiram que não há motivo para modificar o protocolo do ensaio”.

Ou seja: a OMS não encontrou aumento de mortalidade em pacientes que utilizaram a hidroxicloroquina. É o que também explicou a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan.

“Nós estamos agora bem confiantes, não tendo visto nenhuma diferença em mortalidade”, revelou a cientista, acrescentando “que o ensaio pode continuar”.

A OMS ressalta, porém, que essa decisão não recomenda que os médicos receitem hidroxicloroquina a todos os pacientes. Essa é apenas uma autorização para que os estudos voltem a ser realizados, a fim de que se descubra se a droga é ou não capaz de ajudar no combate à COVID-19.

Essa decisão vai de encontro ao que tem feito um hospital piauiense. Utilizando hidroxicloroquina, o hospital tem conseguido curar pacientes. Clique aqui e leia mais sobre o assunto.


OMS retoma testes com hidroxicloroquina
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro