Rede aleluia
Obreiros: Saiba o que não podia faltar na armadura do soldado
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Fevereiro de 2021 - 19:12


Obreiros: Saiba o que não podia faltar na armadura do soldado

Acompanhe a conclusão do estudo sobre a armadura de Deus, com o Bispo Júlio Freitas

Obreiros: Saiba o que não podia faltar na armadura do soldado

Conforme vimos anteriormente, as peças da Armadura de Deus são: estar cingido com a verdade, a couraça da justiça, estar calçado com o evangelho da paz, o escudo da fé, o capacete da salvação e a espada do Espírito.

Contudo, de acordo com o Bispo Júlio Freitas, há duas peças na armadura que não foi mencionada, mas uma delas não podia faltar no soldado que fazia parte do exército do povo de Deus.

A primeira é o cinturão azul, que era da mesma cor da roupa do sumo sacerdote. “Era o sinal de que aquele soldado tinha consciência que o que preparava ele para as batalhas – e para vencer os inimigos – não era a sua armadura, sua força, sua capacidade ou coragem. Mas o que o capacitava para ser um soldado do Deus vivo era a Aliança com Deus por meio do sacrifício”, destaca o Bispo.

A força do soldado está na Aliança com Deus

Portanto, você que é servo de Deus, seja qual for a sua posição na obra de Deus: a sua confiança não deve estar na sua armadura, na sua capacidade ou nas suas experiências, superações e conquistas. Pois, de acordo com o Bispo Júlio, o que faz o soldado forte e aprovado é a consciência de que ele tem que levar, sobretudo, a aliança com Deus.

Porém, além disso, havia algo que todos os soldados tinham que levar, não podia faltar, mas que não ficava à vista.

A partir de Efésios 6:18 o apóstolo conclui dizendo:

“Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos. E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, Pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar.” Efésios 6:18-20

“Então, quando você orar, suplicar, se pergunte e diga: ‘Senhor, que seja segundo a Tua vontade, o Teu querer, a necessidade da igreja, e não a minha’. Não seja egoísta, não seja carnal, neófito; se sujeite à vontade de Deus. Porque o servo verdadeiro faz a vontade de Deus. A frase que o Senhor Jesus mais repetiu foi: ‘Eu vim para fazer a vontade do meu Pai.’ O diabo sabe que servo que é servo faz a vontade do Pai”, observa o Bispo.

Então, o que não podia faltar na armadura do soldado?

Em Deuteronômio 23: 13,14 diz assim:

“E entre as tuas armas terás uma pá; e será que, quando estiveres assentado, fora, então com ela cavarás e, virando-te, cobrirás o que defecaste. Porquanto o Senhor teu Deus anda no meio de teu arraial, para te livrar, e entregar a ti os teus inimigos; pelo que o teu arraial será santo, para que ele não veja coisa feia em ti, e se aparte de ti.

O Bispo Júlio explica que todo soldado tinha que carregar no seu alforje um graveto, para que todas as vezes que defecasse, abrisse um buraco na terra e enterrasse o excremento. Todavia, aquele que não fizesse isso era considerado impuro diante de Deus. E se alguém, acidentalmente pisasse, também era considerado impuro.

Ele esclarece ainda que esse excremento representa tudo aquilo que está em nós e precisa ser evacuado. Aquilo que não presta, na mente, nos olhos, no coração; aquilo que você viu, ouviu, sentiu que sabe que não é do Espírito.  “Todos os dias você tem que ver o que tem que evacuar e não deixar que isso contamine os outros”, ensina.

Símbolo da cruz

Lembre-se que, independentemente da sua posição, você é humano e precisa fazer uso do seu gravetinho. De acordo com o Bispo Júlio, aquele graveto lembrava ao soldado que mesmo com toda armadura, ele era homem e imperfeito. E, portanto, todos os dias precisava colocar para fora tudo o que não prestava, e que ninguém podia ser cúmplice do que ele sentia ou desejava, que ele sabia que não agradava a Deus.

Além disso, o Bispo explica que esse graveto simbolizava a cruz. “A cruz foi o graveto que Deus usou para tirar toda iniquidade que nos acusa. Jesus carregou o graveto que era para mim e para você. Jesus não precisava disso.”

Por isso, ele disse na sua primeira pregação: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.” Mateus 5:3

“Não se esqueça disso”, alerta o Bispo.

Clique aqui e acompanhe a reunião na íntegra.


Obreiros: Saiba o que não podia faltar na armadura do soldado
  • Jeane Vidal / Fotos: Reprodução 


reportar erro