Rede aleluia
“O tempo dos milagres não acabou”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de Junho de 2021 - 00:05


“O tempo dos milagres não acabou”

Muitas pessoas têm sido curadas ao recorrer à ajuda celestial na Corrente dos 70, no Templo de Salomão, em São Paulo

“O tempo dos milagres não acabou”

“E achou ali certo homem, chamado Enéias, jazendo numa cama havia oito anos, o qual era paralítico. E disse-lhe Pedro: Enéias, Jesus Cristo te dá saúde; levanta-te e faze a tua cama. E logo se levantou.” (Atos 9.33-34). Foi com essa passagem bíblica que o Bispo Misael Silva, responsável pela Corrente dos 70, realizada às terças-feiras na Universal, iniciou a reunião do dia 8 de junho, o Dia dos Milagres, no Templo de Salomão, em São Paulo.

Ele esclareceu que Enéias se levantou porque creu nas palavras que ouviu. Da mesma forma, hoje as pessoas precisam crer para que o milagre aconteça em suas vidas. O Bispo chamou à frente do Altar todos os enfermos e com dores e realizou a oração da cura, determinando que, como Enéias, fossem curados. O resultado foi que, depois do clamor, dezenas de pessoas deram testemunho de que chegaram com dores e já não sentiam mais nada, outras notaram o desaparecimento de caroços e algumas retomaram movimentos corporais.

Em entrevista à Folha Universal, o Bispo Misael explicou o que foi o Dia dos Milagres: “ele foi inspirado na passagem bíblica de Mateus 15.31, em que uma multidão foi até Jesus e alcançou milagres: os mudos falaram, os surdos ouviram e muitos outros milagres aconteceram. Firmados nessa Palavra, promovemos esse evento de Fé para que todas as pessoas que creem viessem no mesmo dia, a exemplo da multidão que foi até Jesus”.

O lenço Consagrado
Na reunião, as pessoas receberam um lenço que foi apresentado a Deus em oração para ser colocado no local da dor, determinando a cura, e usado todos os dias como um ponto de contato entre elas e Deus. O propósito tem base bíblica em Atos 19.11-12, passagem que revela que, pelas mãos do apóstolo Paulo, Deus fazia maravilhas extraordinárias e até os lenços de uso pessoal dele, quando levados aos enfermos, faziam com que as enfermidades acabassem e os espíritos malignos saíssem.

O Bispo Misael disse que esse mesmo poder de cura está disponível atualmente e enfatizou a importância da Corrente dos 70. “A Bíblia está repleta de casos de pessoas que foram até o Senhor Jesus com uma enfermidade e Ele as curou e, por meio de Sua Palavra, deixou esse mesmo poder para seus discípulos, dizendo: ‘Curai os enfermos’.

Por isso, realizamos a Corrente dos 70 todas as terças-feiras com esse propósito. Em muitas situações, a pessoa já foi desenganada pelos médicos, mas a fé é uma saída para que o milagre aconteça. O que realizamos na
terça-feira é um trabalho da Fé inteligente, que respeita a medicina do mesmo modo que a medicina inteligente respeita a fé”, afirmou.

20% de chance de vida
Entre os presentes no Dia dos Milagres estavam a autônoma Tatiane Mesquita de Araújo, de 39 anos, e seu pai, o aposentado Paulo Domingos Filho, de 60 anos. Eles compartilharam uma das piores experiências de suas vidas.

Tudo aconteceu em abril de 2020, quando Tatiane buscou ajuda médica ao sentir fortes dores no estômago, febre e dor de cabeça. “Fui a hospitais públicos e particulares, até que descobri, por meio de uma ressonância magnética, que estava com pus no estômago e corria o risco de ter infecção generalizada. Passei por uma cirurgia para a retirada do líquido e também do apêndice para evitar futuras inflamações. Depois de dois dias tive alta, mas as dores pioraram muito, eu não conseguia comer e só vomitava”, disse.

De volta ao hospital, Tatiane recebeu outro diagnóstico. Ela estava com tuberculose e seu estado era considerado gravíssimo, com vários órgãos e sangue afetados. Ela foi internada, teve uma convulsão de meia hora e depois foi colocada em coma induzido por 15 dias. Começava ali uma batalha pela vida.

Ao ser retirada do coma, ela não acordava e os médicos alertaram a família que ela tinha apenas 20% de chance de sobreviver. Depois de mais 15 dias, ela despertou muito debilitada. “Acordei sem controle do meu corpo, sem conseguir andar ou falar. Perdi 40 quilos dos 80 que eu pesava, foram 15 dias de coma e mais 15 que eu não acordava. Quando acordei, achei que ia morrer. Me disseram que eu teria que fazer hemodiálise o resto da vida, mas meu pai estava lutando na fé por mim”, recordou.

O milagre
Paulo, pai de Tatiane, conta que travou uma luta diária com o apoio da fé durante os 30 dias em que a filha esteve no hospital. Ele já frequentava a Corrente dos 70 e assistia às transmissões pela TV, pois os cultos presenciais foram interrompidos por causa da Covid-19. “Em casa eu dobrava os meus joelhos, orava e usava o lenço consagrado em mim como se fosse nela. Na opinião dos médicos ela ia morrer, mas eu confiei a vida da minha filha nas mãos de Deus e tinha certeza do testemunho dela”, afirmou.

Contrariando as previsões dos médicos, Tatiane teve uma recuperação rápida, não precisou fazer hemodiálise e hoje está curada e saudável. Ela e seu pai continuam frequentando a Corrente dos 70 para a manutenção da boa saúde.

O Bispo Misael fez um convite para que os leitores participem das reuniões de terça-feira na Universal: “o tempo de milagres não acabou e, independentemente do diagnóstico médico, a última Palavra vem de Deus, pois Ele é o Médico dos Médicos”, finalizou.

A cura total pela fé

Se você está enfrentado um período difícil em sua vida, ou na vida de um familiar, diante das dores e do sofrimento de uma doença, acredite, para Deus nada é impossível.

Portanto, participe da ‘Corrente dos 70’, a maior corrente de cura e libertação que acontece toda terça-feira, no Templo de Salomão. Sobretudo, provando que o tempo de milagres não acabou.

Compareça a este encontro de fé. Confira os horários clicando aqui. Para outras localidades, encontre os endereços aqui e saiba onde há uma Universal mais perto de sua casa.


“O tempo dos milagres não acabou”
  • Kelly Lopes / Fotos: Guilherme Branco 


reportar erro