Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de novembro de 2019 - 00:05


O que faz um homem fugir da mulher?

Conheça uma história que pode lhe ajudar a enfrentar seus problemas

Existem homens que têm dificuldade de se entender com a esposa. Há maridos, inclusive, que preferem se encontrar com os amigos depois do trabalho a ter que voltar para casa e encarar a mulher para bater um papo. Se for uma discussão importante, nem pensar. Neste caso vão fugir ou ficarão calados ouvindo a esposa fazer um monólogo. Situações como essas podem parecer engraçadas, mas são mais sérias do que você imagina.

Uma história que aconteceu há algum tempo nos ajudará a entender melhor o que problemas desse tipo podem causar. Lawrence John Ripple, de 71 anos, confessou que assaltou um banco justamente porque queria ficar longe da esposa. Você pode até pensar que se trata de algo irreal ou de um argumento inicial do roteiro de um novo filme de Hollywood, mas não é nada disso.

Trata-se de uma história verídica e ela aconteceu em Kansas City, nos Estados Unidos. Ripple entrou no Bank of Labor e entregou um bilhete à atendente que dizia: “tenho uma arma, me dê o dinheiro”. Apavorada, a funcionária do banco entregou US$ 2.924 (cerca de R$ 12.079) ao idoso. Em seguida, ele se sentou no lobby do prédio para esperar a chegada da polícia e não ofereceu nenhuma resistência quando os policiais chegaram.

Ripple é padrasto de quatro enteados e tinha um relacionamento estável com a mulher. O idoso contou às autoridades que escreveu o bilhete na frente da esposa e disse que preferia ser preso a ficar com ela em casa. No tribunal, ele afirmou que se sentia arrependido e pediu desculpas ao banco e à atendente.

A defesa dele pediu clemência e alegou que o idoso estava com depressão por conta de uma cirurgia cardíaca a que tinha se submetido na época do crime. O idoso disse que desde o assalto passou a fazer tratamento e se sentia bem novamente. Depois de passar um tempo preso, Ripple foi julgado. A Justiça o considerou inocente e o “condenou” a voltar para casa. Parece até ironia, mas o idoso não teve como fugir dos seus problemas.

Agora, imagine qualquer homem que no dia a dia toma atitudes, que não precisam ser tão extremas, para se afastar da esposa. Alguns se refugiam no trabalho, nas amizades, na bebida e até nas drogas, mas, em algum momento, terão de voltar ao convívio com elas. Não seria melhor se resolvessem o que é preciso? Afinal, fugir nunca é a melhor alternativa.

Muitas vezes, o homem tem problemas não resolvidos e vive fugindo deles. Ele é orgulhoso demais para aceitar ajuda e acredita que poderá resolvê-los sozinho. Não tenha medo de pedir socorro. Essa conduta é muito melhor do que tentar fugir e em algum momento ter de tomar uma atitude extrema e errada, assim como fez o personagem da história que citamos.


  • Eduardo Prestes / Foto: Getty Images 


reportar erro