Rede aleluia
O poder do cordão de três dobras
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de Novembro de 2022 - 00:05


O poder do cordão de três dobras

Saiba como Levi e Dulcinéia Targino construíram um relacionamento sólido baseado na Fé e no amor inteligente

O poder do cordão de três dobras

A professora de língua portuguesa Dulcinéia Regina Pereira Targino, de 48 anos, conta que, após dez anos do fim de um antigo relacionamento, passou a se considerar autossuficiente e já não pensava mais na vida amorosa. Ela vivia com a filha e se dedicava à carreira. “Eu seguia a minha rotina de trabalho sem pensar em ter alguém, não queria me casar, afinal, o tempo que passei solteira me fez adquirir a habilidade de fazer tudo sozinha”, esclarece.

Ela frequentava a Universal, mas não compreendia qual era o objetivo das palestras da Terapia do Amor, realizadas às quintas-feiras: “eu entendia que elas eram para arrumar marido e, como não queria me casar, achava que não precisava participar”.

Até que, em 2019, durante uma reunião de professores no trabalho, ela conheceu o professor de educação física Levi Targino da Silva, de 37 anos. Ele conta que se interessou por Dulce, como ela é conhecida: “conversamos algumas vezes e soube que ela era evangélica, então a convidei para ir à igreja que eu frequentava para, a partir desse encontro, conhecê-la melhor, mas ela era da igreja Universal e eu tinha preconceito por causa das fake news”, recorda Levi.

Ele relata que já tinha sofrido na vida amorosa e não acreditava mais no amor. “Eu vinha de um divórcio motivado por traição, o que me fez sofrer muito. Depois que fiquei solteiro, apareciam mulheres interessadas em mim, mas eu não me entusiasmava com elas, pois tinham comportamentos e palavreado que não me atraíam. Comecei a achar que o problema era comigo, que eu era um homem ‘chato’, que não gostava de ‘curtir’. Em decorrência desses problemas, cheguei a ter ansiedade e síndrome do pânico”, afirma.

Então, Levi pediu Dulce em namoro. Ela aceitou e o convidou para participar de uma palestra da Terapia do Amor, no Templo de Salomão, pois receava que o relacionamento não tivesse futuro. “Um dos problemas era o fato de sermos de denominações diferentes e de que na agenda de atleta dele não tinha espaço para mim. Outro detalhe era que ele não gostava da Universal”, explica Dulce.

PROPÓSITO
Levi conta que foi contagiado pelos ensinamentos da palestra que falava do cordão de três dobras (Eclesiastes 4.12), em que a terceira representa Deus dentro de um relacionamento, o que garante que a união de um casal seja forte e abençoada. “Eu pensei: ‘se isso for verdade, vai acontecer em minha vida’.

Então, levantei do meu lugar e peguei o propósito, que durou nove meses. Ela duvidou que eu o faria, mas fiz à risca, às quintas-feiras, apesar da pandemia. Foi minha melhor decisão: antes de acabar o propósito, voltei a acreditar no amor e em sete meses já estava casado e feliz”, comemora Levi, que se batizou nas águas e se tornou membro da Universal.

Em 19 de novembro de 2020, o casal oficializou a união. “Foi um dia maravilhoso, de realização de um sonho. Eu tive certeza de que começava ali uma nova etapa em nossas vidas, debaixo da mão de Deus. Tivemos a honra de o Pastor Givaldo Carvalho ter celebrado o nosso casamento, com nossos familiares reunidos. Foi um dia inesquecível”, relata Levi.

Para Dulce, os ensinamentos das palestras foram fundamentais: “me conscientizei da importância da família. Como antes éramos apenas eu e minha filha, pensava que isso bastava”, diz Dulce.

Levi cita que aprendeu a valorizar o elo mais forte do cordão de três dobras: “meu maior aprendizado na Terapia do Amor foi ter comunhão com Deus, pois, se eu errar com minha esposa em algo, estarei errando com Deus primeiramente. Isso gerou uma responsabilidade maior em mim”, conclui.

 


O poder do cordão de três dobras
  • Kelly Lopes / Fotos: arquivo pessoal 


reportar erro