Rede aleluia
O #FICAEMCASA apresenta fatura
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de Janeiro de 2021 - 18:30


O #FICAEMCASA apresenta fatura

Ford encerrará a produção nas plantas de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e da Troller (Horizonte, CE)

O #FICAEMCASA apresenta fatura

Entre tantas lições que podemos extrair sobre a pandemia da COVID-19 é que ela provocou profundas transformações na economia mundial e se tornou uma ferramenta de politização. Basta nos recordarmos das constantes mudanças de discursos propagados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), durante o auge da pandemia, repletos de informações desencontradas e incoerência. Desse modo, quem consome notícia precisa se atentar para o fato de que as falas podem endossar interesses políticos escusos.

Porém, a fatura da paralisação da economia – imposta pelos Governadores e Prefeitos por conta da pandemia, deliberada pela Suprema Corte – tem chegado (e é bem cara). Só para ilustrar, no dia 11 de janeiro, a Ford anunciou o fim da sua produção no Brasil. Serão cerca de 5 mil empregos afetados. Segundo a ANFAVEA, a associação das empresas fabricantes de automóveis, no ano passado, o setor automotivo sofreu uma queda de 31,6%, no País.

Entretanto, rapidamente, o acontecimento foi usado para responsabilizar o presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, mais um exemplo claro de que a narrativa funciona conforme o interesse. Pois, a Ford segue agonizando em outros países também. Em nota, a empresa afirmou: “A Ford Brasil encerrará a produção nas plantas de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e da Troller (Horizonte, CE) durante 2021, à medida em que a pandemia de COVID-19 amplia e persiste capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”.

Não é que a situação da COVID-19 deva ser tratada com descaso pelos Governos. Pelo contrário, políticas públicas adequadas devem ser tomadas. Contudo, destruir a economia por meio da paralisação das atividades comerciais não tem se mostrado o melhor caminho. Temos como exemplo o país vizinho, Argentina, que realizou a maior quarentena entre os países da América Latina e, mesmo assim, tem números absurdos de infectados e mortes e ainda enfrenta uma fuga gigantesca de empresas estrangeiras (entre elas: Latam Argentina, Pierre Fabre, Saint Gobain, Sekurit, Nike e BASF).

Enquanto isso, China, a origem dos problemas, tem bons números

Enquanto surgem casos como o do Brasil e da Argentina, a China está despontado. Há previsões otimistas para ela até 2028, quando ultrapassará o PIB (Produto interno Bruto) dos americanos. O Centre for Economics and Business Research (CEBR) prevê uma taxa de crescimento médio anual de 5,7% para o país asiático. Segundo apontam especialistas, um dos motivos que trouxe esse resultado foi o fato de que a China se recuperou rapidamente da crise econômica causada pela COVID-19, enquanto outros países ainda patinavam.

Este cenário nos faz pensar sobre quem está se beneficiando com esta crise econômica. Enquanto que comerciantes e empresas de mercado interno estão tendo de fechar as portas, demitir funcionários e os lugares se tornam em “cidades fantasma”, a política globalista está se fortalecendo cada vez mais.

Na próxima vez que você ouvir frases de efeito como “a economia a gente vê depois”, pense um pouco sobre quem estará se beneficiando com o que será proposto. Há um grupo de políticos eleitos pelos brasileiros que demonstram interesse para as coisas não melhorem. O povo tem notado isso. E, uma vez mais informado, o povo será mais criterioso em sua escolha na hora de votar.


O #FICAEMCASA apresenta fatura
  • Da Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro