Rede aleluia
O arrependimento dos americanos com a esquerda
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de Novembro de 2022 - 00:05


O arrependimento dos americanos com a esquerda

O arrependimento dos americanos com a esquerda

As eleições de meio mandato nos Estados Unidos ainda não foram concluídas, mas o cenário político começou a mudar e esse é um forte indicativo de como será a eleição para presidente em 2024. O Partido Republicano amplia a vantagem para ter a maioria das cadeiras na Câmara e no Senado, mas o que isso representa para um mundo polarizado entre direita e esquerda? Isso pode ter reflexos no destino do Brasil, onde metade da população resolveu ressuscitar Lula e levar ao poder a ideologia socialista-marxista?

Assim como o Brasil hoje está dividido entre os que acreditam na ideologia esquerdista defendida por Lula e os que votaram em um candidato alinhado com os ideais da direita conservadora, nos Estados Unidos também há uma polarização ideológica e eleitoral muito forte. Lá, essa divergência é representada pelos Partidos Republicano e Democrata.

O Partido Republicano é alinhado ao pensamento político conservador ou liberal-conservador. Portanto os Republicanos defendem princípios conservadores, baseados na ética judaico-cristã, como propriedade privada, porte de armas, livre mercado, livre concorrência e livre pensamento ou liberdade de expressão, sem deixar de gerar emprego e renda para todos, independentemente de orientação partidária, credo ou raça. Logo, o partido pode ser denominado de “direita”. Já o Partido Democrata possui um viés “esquerdista”. Com apoio dos sindicatos, defende políticas sociais assistencialistas e intervenção estatal na economia, tolerância com pequenos furtos e uso de drogas. Ele levanta as bandeiras dos movimentos sociais que pregam que o Estado deve ser o provedor de todos.

Desde que Joe Biden assumiu a presidência, os Democratas passaram a dominar o cenário político e se tornaram o principal partido no governo dos Estados Unidos. Eles conquistaram a maioria no Senado e na Câmara dos Representantes e a esquerda tomou o poder na América tradicionalmente de direita.

Ao que tudo indica, os nortes-americanos se arrependeram, acordaram do pesadelo e repensaram a atitude de deixar o Estado nas mãos dos esquerdistas. Com a vitória, os Republicanos terão a maioria das cadeiras na Câmara e no Senado, abrindo caminho para que uma liderança republicana de direita volte ao poder – até agora o nome mais cotado é o de Donald Trump.

O Partido Republicano está confirmando com margem segura o favoritismo na disputa pela Câmara dos Representantes. Segundo o prognóstico da Associated Press, agência responsável pelas principais medições e por projetar vitórias com base nos resultados parciais das apurações nos Estados, os republicanos já conquistaram 207 assentos na Câmara, chegando perto dos 218 necessários para renovar a maioria na Casa, enquanto o Partido Democrata conseguiu apenas 184 até a última apuração. As vagas ao Senado podem ser definidas apenas no segundo turno, entre o democrata Raphael Warnock e o republicano Herschel Walker. Na Geórgia, o controle da Câmara Alta do Congresso norte-americano só deve ser definido daqui a um mês, uma vez que a disputa segue apertada pela conquista da maioria das cadeiras. Com os Republicanos obtendo a maioria no Congresso, Biden vai enfrentar dois anos de mandato com forte oposição, o que travará a agenda esquerdista na América.

Esse panorama internacional nos faz entender que o povo norte-americano percebeu que cometeu um grande erro ao votar e colocar no poder os representantes da ideologia esquerdista. Agora, eles já devem ter compreendido que a agenda esquerdista é uma grande ilusão que na prática não funciona em lugar nenhum. As ideias marxistas-comunistas podem até ser encantadoras nas salas de aula para professores, alunos e o mundo acadêmico, mas na prática não surtem o mesmo efeito.

Essas ideias encontram terreno fértil na mente de jovens estudantes que são sustentados pelos pais e não vivem a realidade de ter que trabalhar todos os dias para colocar o pão nosso de cada dia na mesa.

O mundo encantado dos professores esquerdistas termina ao final da aula. É fácil ser sustentado pelo Estado e pregar igualdade de direitos, o desafio é enfrentar o mercado e ter que gerar emprego e renda. Aqui no Brasil o eleito nem tomou posse e muitos eleitores já perceberam que erraram feio na escolha e, como os norte-americanos, logo também estarão arrependidos.

Denis Farias é advogado, professor e consultor jurídico


O arrependimento dos americanos com a esquerda
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro