Rede aleluia
Novembro azul: conscientize-se
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de Outubro de 2021 - 00:05


Novembro azul: conscientize-se

Ações preventivas são importantes e podem melhorar e até salvar a vida dos homens

Novembro azul: conscientize-se

O mês de novembro vai começar e com ele tem início também a campanha Novembro Azul, cujo foco é a prevenção do câncer de próstata. Ela foi criada na Austrália, em 2003, para chamar a atenção para a saúde do homem e adotado pelo Ministério da Saúde no Brasil há dez anos. A iniciativa é muito importante pois o câncer de próstata é o segundo que mais mata homens, vitimando mais de 28% dos pacientes, além de ser o mais comum e frequente entre eles. A estimativa é de que, até dezembro deste ano, o Brasil totalize cerca de 66 mil novos casos, com uma mortalidade de até 18 mil pessoas, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Mesmo considerando esses números altos, muitos homens resistem em fazer o exame de toque retal, fundamental para detectar a doença. “Eles têm receio de sentir dor e por questões culturais relacionadas à masculinidade, mas é um mito que vem se reduzindo ao longo dos anos. O exame é absolutamente inócuo, indolor e dura cerca de 10 segundos”, explica Alberto Azoubel Antunes, urologista, professor livre-docente na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Instituto da Próstata do Hospital Moriah, em São Paulo.

De acordo com ele, o câncer de próstata e a hiperplasia prostática (aumento da glândula) são os dois principais problemas que podem atingir a próstata do homem maduro. “Todo câncer é uma doença fundamentalmente genética, mas não necessariamente hereditária. As pessoas nascem com genes defeituosos que estão programados para se manifestar em determinado momento da vida e com o câncer de próstata não é diferente. Infelizmente, a medicina ainda não consegue identificar esses genes de forma regular e consistente e reproduzir os resultados em diversos indivíduos”.

Entre os jovens de 15 e 30 anos, o tumor do trato urinário mais comum é o de testículo. “Ele pode ser diagnosticado simplesmente pelo autoexame da bolsa testicular durante o banho. Ele surge com um nódulo endurecido, um carocinho duro no testículo, que não produz nenhuma dor. O importante é buscar fazer ativamente o exame para que o nódulo seja encontrado, em vez de esperar sentir alguma dor. É importante destacar que, depois do advento da quimioterapia como tratamento auxiliar, a mortalidade por câncer de testículo caiu exponencialmente. Hoje é um dos tumores mais curáveis do homem.”

Não espere que o problema apareça
O médico ressalta ainda que é importante fazer o acompanhento médico de rotina: “vá regularmente ao consultório do urologista a partir dos 45 anos, quando houver histórico familiar, se for afrodescendente ou a partir dos 50 anos, se não existir histórico. Quem faz parte dos grupos de risco deve fazer exames anuais. Já os que não pertencem aos grupos de risco e que possuem exames de PSA (veja quadro ao lado) absolutamente normais e baixos podem fazê-los a cada dois anos. Siga as orientações médicas e procure sempre manter uma vida saudável, uma boa alimentação, um sono de boa qualidade e a saúde mental e física sempre em dia”.


Novembro azul: conscientize-se
  • Eduardo Prestes / Arte: Edi Edson 


reportar erro