Rede aleluia
Na linha de frente contra a Covid-19, profissionais da saúde sofrem emocionalmente
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de agosto de 2020 - 00:05


Na linha de frente contra a Covid-19, profissionais da saúde sofrem emocionalmente

Voluntários oferecem atendimento on-line para amparar classe médica

Na linha de frente contra a Covid-19, profissionais da saúde sofrem emocionalmente

Um estudo publicado pelo Journal of American Medical Association (Jama) afirma que a pandemia da Covid-19 afeta diretamente o aspecto emocional de profissionais da saúde – principalmente aqueles que estão na linha de frente de combate à doença. Para ajudar a classe médica brasileira, o Grupo da Saúde (GSU) – mantido pela Igreja Universal do Reino de Deus – intensificou a assistência social, emocional e psicológica aos profissionais em todo o País.

O programa social oferece o projeto Cuidando de Quem Cuida, por meio do qual médicos ministram, gratuitamente, palestras científicas, motivacionais e socioemocionais em hospitais, com o intuito de valorizar os profissionais da saúde. Atualmente, em razão do isolamento social, as palestras são realizadas mensalmente pelas redes sociais do Grupo da Saúde e em lives semanais para promover o bem-estar.

Os voluntários do grupo – grande parte deles também profissionais da área – se disponibilizam nesse período de pandemia para ajudar os afetados, seja profissionais que testaram positivo, seja quem sofreu com o falecimento de um familiar pela Covid-19.

Ainda que a distância, com os atendimentos on-line, os voluntários buscam ouvir os relatos de quem sofre, oferecer uma palavra de ânimo, manter um acompanhamento e, se necessário, contribuir com ajuda física.

No estudo do Jama com médicos e enfermeiros, 50,4% relataram sintomas de depressão, 44,6% de ansiedade, 34% de insônia e 71% de angústia. “Não podemos esquecer que por trás do profissional existe uma família, uma vida social e, principalmente, um ser humano. Não podemos visitar o contaminado, mas fazemos videochamadas visando ajudar não só o profissional da saúde como seus familiares também”, explica Eduardo Ribeiro, responsável geral pelo programa social.

Apoio no momento certo
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que mais de 12% dos infectados confirmados com Covid-19 no Brasil são profissionais da saúde.

A psicóloga Simone Mendes, que trabalha em uma Unidade Básica de Saúde (UBS), faz parte deles. Ela estava fazendo apenas alguns atendimentos de urgência e não tinha muito contato com os pacientes, mas isso não impediu que ela contraísse o novo coronavírus.

Hoje, já recuperada, ela agradece o apoio recebido do GSU no período em que esteve doente. “Os voluntários sempre estavam ali com uma palavra positiva e se colocando à disposição. Na minha visão, isso faz muita diferença.”

Em maio, na ação Homenagem aos Profissionais da Saúde, 11.678 pessoas foram beneficiadas com as doações de equipamentos de proteção individual (EPIs), livros e a realização de cafés da manhã em hospitais.


Na linha de frente contra a Covid-19, profissionais da saúde sofrem emocionalmente
  • UniCom / Fotos: Cedidas 


reportar erro