Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de fevereiro de 2020 - 10:23


Menino de 9 anos quer se matar por sofrer bullying

A mãe filmou o desabafo do filho e fez alerta para as consequências da agressão

A mãe filma o filho chorando compulsivamente. Durante o desabafo, ele pede uma corda e diz que quer morrer. O menino é Quaden Bayles, de apenas 9 anos. Ele sofre de nanismo e, por isso, foi vítima de bullying na escola. O caso aconteceu em Brisbane, na Austrália.

Yarraka Bayles fez e compartilhou o vídeo na última quarta-feira (19), a fim de conscientizar as pessoas sobre o impacto do bullying. A gravação teve enorme impacto nas redes sociais e já conta com 19 milhões de visualizações.

Ela ainda afirmou que não costuma divulgar vídeos do tipo, mas que, desta vez, não podia ignorar. Além disso, ela pede que todos se conscientizem de que não é engraçado humilhar alguém por ser diferente.

Leia mais: Bullying afeta o cérebro dos adolescentes, mostra estudo

A Universal no combate ao bullying

O bullying afeta a pessoa em todas as esferas de sua vida: física, emocional e psicológica. Não são poucos os casos de jovens que chegam a se suicidar por sofrer com a intimidação. Por isso, a Universal mantém uma série de projetos para combater a prática.

O Força Jovem Universal (FJU), ao lado do projeto Help, realiza várias ações sobre o assunto e seus efeitos (como depressão e ansiedade). Para mais informações, acesse o Instagram do grupo ou envie uma mensagem para o WhatsApp (11) 4200-0034.

Para os adolescentes, há conselheiros no grupo Força Teen Universal (FTU). Mais recentemente, também foi instituído o Movimento Sócio Abrigo, voltado para orfanatos e abrigos que acolhem menores de idade.

O grupo é um dos braços do Universal Socioeducativo e surgiu em maio de 2019. Já atendeu mais de 1.800 crianças e adolescentes, realizando palestras para esclarecer o que é o bullying, quais as consequências, como prevenir e como ajudar a vítima e o agressor.

Caso precise do apoio de um desses grupos basta comparecer à Universal mais próxima de sua casa.


  • Rafaella Rizzo / Foto: Reprodução 


reportar erro