Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de abril de 2019 - 19:01


K-POP: Crimes sexuais fazem maiores cantores do gênero se aposentarem

Dois dos principais expoentes do POP sul-coreano estão sendo acusados judicialmente

Dois dos maiores representantes do K-POP (música POP sul-coreana) acabam de abandonar suas carreiras por envolvimento em crimes sexuais. O primeiro a anunciar a decisão foi Seungri (28), da banda BigBang, cujos integrantes são conhecidos como “reis do K-POP”. Em seguida, Jung Joon-young (30), que além de cantor e dançarino também é ator, fez o mesmo.

No caso de Seungri as acusações são de envolvimento com drogas e abuso sexual na boate em que atua como diretor de relações públicas. Além disso, ele também é acusado de organizar encontros entre prostitutas e empresários. Na Coreia, a prostituição é ilegal. Ele nega as acusações.

Já Jung Joon-young confessou seus crimes. Ele está sendo processado por filmar relações sexuais com, pelo menos, dez mulheres sem o consentimento delas e compartilhar via internet.

“Admito todos os meus crimes”, declarou ele. “Pelo resto da minha vida vou lamentar meus atos imorais e ilegais que constituem crimes.”

Fanatismo pelo bilionário K-POP

K-POPO fanatismo por cantores não é novo. Desde Frank Sinatra, passando por The Beatles, Jovem Guarda, Menudo, RBD e Justin Bieber, chegou-se ao K-POP. Crianças e adolescentes choram e gritam fora de si à simples menção do nome dos ídolos. Acampam aguardando por shows, decoram todas as letras de músicas e copiam visuais e comportamentos. E é aí que mora o perigo.

O K-POP é uma indústria bilionária que ganhou força na Coreia do Sul na segunda metade da década de 1990. Nos anos 2000 conquistou milhões de fãs também no Ocidente e hoje movimenta R$ 5 bilhões por ano, de acordo com a Revista Forbes, especialista em finanças.

O grupo BigBang, de Seungri, lucrou U$ 44 milhões apenas nos primeiros dez anos de carreira.

Quando a arte é admirada tudo vai bem. Mas quando os jovens imitam comportamentos inadequados – ou até criminosos, como os dos casos acima –, a idolatria gera grandes prejuízos.

A influência sobre os jovens

Como publicamos recentemente, em reportagem especial, crianças e adolescentes são como pequenas esponjas. Moldam-se de acordo com o ambiente ao seu redor e o conteúdo que consomem.

Essa também é a opinião do escritor Renato Cardoso.

De acordo com ele, músicas, filmes, livros, revistas e todo tipo de mídia têm o poder de transformar uma pessoa. Por isso é importante que se tome muito cuidado com quem ou o que se torna modelo para a sociedade.

“Se o que você deixa entrar na sua mente for algo bom, então ótimo, excelente. Mas se for ruim ou simplesmente inútil, então aquilo é péssimo para você.”

O que entra na sua mente forma os seus pensamentos. “E os seus pensamentos é o que você usa para tomar as suas decisões. E as suas decisões levam você a tomar atitudes. E as suas atitudes vão se tornando hábitos e trazendo consequências que formam a sua vida. Então, por isso, nós dizemos que você é aquilo que você permite entrar na sua mente”, conclui Renato Cardoso.

E você, o que está permitindo entrar na sua mente?


  • Andre Batista / Imagens: Reprodução Facebook @officialseungri 


reportar erro