Rede aleluia
Justiça ordenou que youtuber excluísse vídeo sobre casamento hétero
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de Abril de 2021 - 13:22


Justiça ordenou que youtuber excluísse vídeo sobre casamento hétero

A colombiana Kika Nieto ficou surpresa com a ordem judicial

Justiça ordenou que youtuber excluísse vídeo sobre casamento hétero

Uma youtuber colombiana, chamada Kika Nieto, foi obrigada a excluir um vídeo em que ela dizia: “Deus criou o homem e a mulher para que pudessem estar um com outro. Não considero que homens ou mulheres estarem com pessoas do mesmo sexo seja bom, mas tolero isso”.

O conteúdo foi publicado há cerca de 3 anos, enquanto Kika respondia perguntas de seguidores. A ação judicial foi mobilizada por militantes LGBTIQ+, que chegaram a pedir até a prisão da influenciadora digital.

Ela ficou surpresa com o processo e a repercussão. E, em um vídeo recente na mesma conta, ela acrescentou que todos deveriam ser livres para compartilhar suas crenças em público. Ela enfatizou que o seu desejo é ser autêntica com os seguidores e inspirar mais tolerância em relação a diferentes opiniões.

O caso só enfatiza o quanto a cultura do cancelamento tem crescido cada vez mais entre os consumidores de conteúdo, chegando aos absurdos e exageros como este. É o tipo de mentalidade que se sente moralmente superior às pessoas que possuem uma opinião diferente da qual elas defendem ou de seus posicionamentos ideológicos. Mas, na verdade, a pessoa só está revelando o quanto é intolerante e deseja impor a sua visão de mundo sobre os demais, por meio dessa postura. Qualquer pessoa que se interessa em ter liberdade para se posicionar sobre algo, deveria se preocupar com isso.

E quanto à Bíblia?

É interessante observar que um dos principais alvos desta intolerância tem sido a Bíblia, que traz em seu conteúdo as orientações de Deus para a nossa vida.

Só para ilustrar, recentemente, o Pastor John Sherwood, de 71 anos, foi detido em Londres, na Inglaterra, enquanto lia a Palavra de Deus em público. Ele foi denunciado por homofobia, após ler o primeiro capítulo de Gênesis.

Sobre o caso de Londres, durante a programação “Inteligência e fé“, do dia 29 de abril, o Bispo Renato Cardoso observou: “Se você não abrir os olhos, cristão, isso vai chegar até você. Este é o projeto que está acontecendo no mundo, hoje, especialmente da esquerda, para proibir a Palavra de Deus em qualquer esfera pública. Então, fique atento. Porque se você não agir no seu direito de cidadão, você acabará perdendo o direito à sua fé”.

Portanto, há uma aparente tendência em se proibir cada vez mais a divulgação do que a Bíblia ensina, no mundo de hoje.


Justiça ordenou que youtuber excluísse vídeo sobre casamento hétero
  • Da Redação / Foto: Reprodução Youtube 


reportar erro