Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de abril de 2018 - 03:00


Jornalista da TVI é investigada por suborno de entrevistado

Repórter ofereceu casa, carro, celular, trabalho e documentos em troca de mentiras contra a Universal

A Imprensa de Portugal divulgou nesta quinta-feira (19), a existência de uma investigação por tentativa de suborno, contra a repórter responsável pela série fraudulenta de reportagens que atacam a Igreja Universal do Reino de Deus daquele país.

De acordo com a queixa-crime aberta no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, a jornalista Alexandra Borges ofereceu “uma casa, um carro, um novo celular e trabalho”, além de passagens aéreas para Lisboa, a um dos personagens retratados na série de reportagens da TVI, e sua família.

Em troca, a repórter exigia que o rapaz – que a TVI expôs como tendo sido “sequestrado pela Igreja Universal” quando criança – deveria conceder uma entrevista e mentir sobre sua história, confirmando a farsa criada pela emissora portuguesa.

Ainda segundo a denúncia, a jornalista afirmou que se utilizaria sua “amizade” junto a um antigo primeiro-ministro de Portugal, para “ajudar” a obter novos documentos para o jovem e sua família naquele país, sem esclarecer se tais papéis seriam obtidos de forma lícita.

Alexandra Borges também tentou convencer o entrevistado a trocar de advogado – passando a ser representado por uma profissional indicada pela jornalista – e que não fosse à Justiça para depor contra a TVI.

Mensagens de WhatsApp constam do processo como prova do assédio e da tentativa de aliciamento.

Credibilidade afundando

Há alguns dias, jornais portugueses já haviam revelado que autoridades judiciais concluíram que “não existem quaisquer indícios de uma rede de adoções ilegais, nem irregularidades na retirada das crianças ou na atuação dos tribunais”.

As mentiras criadas pela TVI para atacar a Universal vão desmoronando uma a uma, e consumirão o que resta de credibilidade de uma emissora de televisão que abandonou o Jornalismo para morrer abraçada ao sensacionalismo.

Leia mais sobre as mentiras divulgadas pela TVI:

Ataque covarde espalha mentiras contra a Universal

TV portuguesa responderá na Justiça por mentir e promover ódio religioso

TV portuguesa se especializa em fakenews

Jornal de Portugal denuncia farsa da TVI contra Igreja Universal


  • Da Redação / Foto: Divulgação  


reportar erro