Rede aleluia
Jezabel, a rainha que levou a idolatria ao povo
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de Julho de 2022 - 00:05


Jezabel, a rainha que levou a idolatria ao povo

Sucesso da Record TV, a série está disponível na plataforma Univer Vídeo

Jezabel, a rainha que levou a idolatria ao povo

A novela com base bíblica Jezabel, exibida em 2019 pela Record TV, agora pode ser conferida na maior plataforma de streaming cristão, o Univer Vídeo, em formato de série, em 80 capítulos. Considerada uma macrossérie, a superprodução contou com cenas gravadas em Marrocos, um figurino épico com 6 mil peças e 4 mil acessórios, além da participação de mais de 5 mil figurantes no Marrocos e 3 mil no Brasil.

A série conta a trajetória da princesa fenícia Jezabel, interpretada por Lidi Lisboa. Registrada na Bíblia no livro de 1 Reis 16.29 e 2 Reis 9.34, a história da personagem se passa em Samaria, Israel.

Jezabel é uma mulher idólatra, má, calculista e sedutora, que se casa com o rei Acabe (André Bankoff) com o objetivo de impor ao povo israelita a adoração aos seus deuses pagãos. Os povos fenícios adoravam vários deuses, enquanto Israel adorava a Deus. Uma das exigências de Jezabel para que o casamento ocorresse foi que Acabe construísse um templo de adoração a Baal, considerado o deus da prosperidade e da fertilidade. Ela induziu o marido a adorar outros deuses em Israel e, dessa forma, os dois se tornaram responsáveis pela decadência moral e espiritual do povo naquela época. A idolatria se espalhou entre as pessoas, que abandonaram a Deus. Os israelitas fiéis a Deus eram poucos, pois a maioria aceitava as imposições dela. O profeta Elias (Iano Salomão) não acatava as ordens da rainha idólatra e, por isso, se tornou o maior adversário dela. Instruído por Deus, ele alertava o povo que, se a idolatria continuasse, haveria uma grande seca em Israel. Como represália, Jezabel ordenou a morte de todos os profetas de Deus e centenas deles foram assassinados pelos seus soldados. Contudo, 100 profetas escaparam, entre eles Elias.

Quanto mais Israel adorava Baal, mais mortes ocorriam e mais a miséria se espalhava. Deus não enviava chuva e o povo estava cego espiritualmente. Por meio da vida de Elias, o poder de Deus foi demonstrado diversas vezes. Uma delas aconteceu quando, revoltado com a idolatria do povo, Elias foi ao Monte Carmelo e desafiou 450 profetas de Baal e mais 400 profetas da deusa Aserá, que serviam a Jezabel (1 Reis 18.19).

O profeta não se acovardou perante o rei Acabe e, naquela ocasião, disse ao povo: “Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-O, e se Baal, segui-o. Porém o povo nada lhe respondeu” (1 Reis 18.21). Então, Elias lançou um grande desafio que fez o Monte Carmelo esquentar. Essa passagem bíblica, incluída em Jezabel, mostra como o Deus Verdadeiro responde a um clamor.

A história de Jezabel, Acabe, Elias e muitos outros personagens da série trarão muitas lições para os dias de hoje. A trama revela uma mulher autoritária e dominadora, que não via limites para impor suas vontades e usava outras pessoas, inclusive o marido, para fazer o que era errado, a ponto de Acabe ter sido o rei que mais desagradou a Deus até então (1 Reis 16.33).

Na Bíblia Sagrada com As Anotações de Fé do Bispo Edir Macedo, o autor destaca, em I Reis 16.33, que “Acabe achou pouco a perversão que seus antepassados praticaram e agiu de modo mais cruel ainda. Ele ignorou a Lei Mosaica, se unindo em matrimônio a uma pagã, se tornou um adorador de Baal e ainda permitiu que sua mulher ocupasse todo o Israel com santuários e sacerdotes pagãos (18.19). Além disso, construiu um poste-ídolo da falsa deusa Aserá e o colocou como símbolo da fertilidade em Samaria. Acabe provocou o Senhor, superando em iniquidade todos os reis anteriores. O Altíssimo, porém, preparava Elias para executar o Seu Juízo, como resposta às ações perversas do rei”. Tanto Jezabel quanto Acabe tiveram finais de
vida trágicos.

Para saber como essa história termina, confira a série Jezabel no Univer Vídeo. Nela, você vai entender os perigos da idolatria e das más influências, além de conhecer melhor o contexto bíblico e o caráter de um servo de Deus que não se curvou diante dos obstáculos.


Jezabel, a rainha que levou a idolatria ao povo
  • Kelly Lopes / Fotos: Edu Moraes 


reportar erro