Rede aleluia
Já pensou em fazer uma transição de carreira?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 16 de Outubro de 2022 - 00:05


Já pensou em fazer uma transição de carreira?

Entenda como avaliar se ela é necessária e o que é preciso fazer para não errar na escolha

Já pensou em fazer uma transição de carreira?

Não são poucos os que cogitam mudar de carreira por vários motivos. Eles confidenciam às pessoas mais íntimas suas insatisfações, como o salário baixo, o sentimento de acomodação e a falta de perspectiva, mas, ainda assim, têm receio de trocar o certo pelo duvidoso. Talvez a grande verdade seja que muitos não saibam como proceder para tentar uma transição sem queimar etapas e temam que a falta de experiência nesse processo possa só trazer frustração ao ser finalizado.

Para Veridiana Barcelos, de 36 anos, líder de pessoas e cultura na Abler, startup da área de gestão de pessoas no ambiente profissional, o medo é comum na hora de fazer a transição. “Para lidar com ele é necessário autoconhecimento e verificar como está a sua carreira, se deseja se desenvolver e se a função que desempenha hoje pode trazer novos desafios e ainda entender se a escolha feita no passado ainda faz sentido e perceber que não precisa abraçá-la e permancecer nela se estiver insatisfeito. Você tem que ser protagonista e deixar de colocar o direcionamento da carreira na mão da empresa”, dispara.

Segundo ela, o profissional precisa entender onde está e aonde quer chegar. “Ele precisa verificar se na empresa em que trabalha terá espaço para progredir ou o que precisa fazer para mudar, se necessário, porque a carreira é dele. Contudo há muitas pessoas que não querem mais ficar na antiga função e só depois entendem que o mercado paga menos na nova área. Esse processo vai ajudá-las a perceber se é necessário dar um passo atrás para ter uma nova carreira e até para que se programem e entendam como a mudança vai impactar sua vida”.

No caso de quem perde o emprego e só consegue recolocação em outra área, ela diz que esse movimento também pode ser considerado uma transição, dependendo de como ocorrer: “a partir do momento que a pessoa aceita algo fora da área dela e isso passa a fazer sentido para ela, eu posso entender como transição de carreira”, esclarece.

Veridiana afirma que a transição pode começar na empresa em que o profissional está atualmente. “É preciso analisar que mesmo no cargo que ele já exerce talvez seja possível abraçar novas responsabilidades e fazer, aos poucos, uma preparação para a transição. Muitas vezes, vemos as pessoas buscando oportunidades de crescer de nível, mas é preciso entender que existe uma ‘escadinha a ser cumprida’, inclusive para perceber se estamos prontos para um novo desafio”, observa.

Mesmo quem não tem curso superior pode fazer a transição. “Vai depender dos pré-requisitos das vagas, mas hoje muitas funções não exigem formação específica, apenas o ensino médio. Na área de tecnologia, por exemplo, os profissionais são valorizados e requisitados não só pela formação, mas por sua experiência e conhecimento”, cita.

Para quem pensa em mudança, ela aconselha que converse com profissionais da nova área e ouça o que eles dizem dela. “O LinkedIn ajuda bastante e seguir quem já está no mercado é uma opção. Tente marcar um bate-papo com essa pessoa e, além disso, saiba quais empresas contratam quem está começando nessa carreira”, orienta.

Veridiana lembra também que a experiência adquirida na função antiga pode ser aproveitada. “Algumas pessoas apagam todo o seu histórico anterior e não percebem que se forem para outra área que tem alguma relação com a antiga é indicado manter essas informações no currículo e aproveitar as experiências, cursos e formações na nova função.”

Vale ressaltar que não há um tempo predeterminado para fazer a transição. “Posso me programar e decidir se hoje vou consumir conteúdos relacionados com a nova função, ler materiais sobre esse assunto, participar de eventos e vou me inserindo, aos poucos, na área almejada para cuidar do meu networking até chegar o momento que terei uma bagagem no meu currículo que possibilite iniciar a transição”, conclui.

Dificuldades na carreira?
Se você está com dificuldades na carreira, busque apoio na Palavra de Deus e participe do Novo Congresso para o Sucesso, reunião que ocorre às segundas-feiras em todas as igrejas Universal.


Já pensou em fazer uma transição de carreira?
  • Eduardo Prestes / Foto: Getty Images / Arte: Éder Santos 


reportar erro