Rede aleluia
Inundações na China já deixaram ao menos 390 mil desabrigados
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de Julho de 2021 - 23:28


Inundações na China já deixaram ao menos 390 mil desabrigados

Chuvas torrenciais, que têm ceifado vidas, pode ser mais um sinal para a volta do Senhor Jesus e o Fim dos Tempos. Entenda

Inundações na China já deixaram ao menos 390 mil desabrigados

Bairros inteiros foram alagados, pessoas arrastadas pela correnteza, vagões de metrô completamente tomados pela água e muito desespero. Esse é o cenário dos últimos três dias na China. 

Isso porque o local tem enfrentado fortes chuvas, que têm causado inundações no centro do país. Até o fechamento desta reportagem, foi confirmada a morte de 56 pessoas e mais de 390 mil estavam desabrigadas. Os danos causados às cidades afetadas já chegam a U$10 bilhões. 

As chuvas correspondem ao volume esperado para todo o ano. Com os temporais, o governo chinês teme que duas barragem, localizadas na província de Henan, se rompam. Por estar localizada próximo ao Rio Amarelo, segundo maior rio do país, a província foi a mais afetada.

Ao menos 12 das vítimas fatais estavam em uma inundação no metrô, na cidade de Zhengzhou, na província de Henan, que fica a 650 quilômetros da capital, Pequim. 

Uma outra represa, mas na cidade Luoyang, também ameaça se romper. Já em Xinxiang, uma cidade que fica localizada ao norte de Zhengzhou, 29 dos 30 reservatórios estavam transbordando. 

Fim dos tempos

O drama vivido pelos chineses pode ser, também, um alerta para o fim dos tempos. A Bíblia mostra que, nos últimos dias, sobrevirão dias difíceis e que grandes catástrofes atingiriam a terra.

Quando esteve na terra, o Senhor Jesus alertou para os sinais que apontarão para o fim, entre eles, estão as catástrofes naturais.

“Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares.” Mateus 24:7

“Os sinais no céu, na terra, no sol e no mar, como tsunamis, terremotos, chuvas torrenciais, epidemias e fome, têm ceifado milhões de vidas em todo o mundo. Somam-se a isso drogas, violência, impiedades e acidentes. As catástrofes mundiais anunciam que o fim se aproxima”, esclareceu o Bispo Edir Macedo, na Bíblia Fiel Comentada.

Por isso, é fundamental que o ser humano se prepare para os dias que sobrevirão sobre a terra, a fim de que encontre salvação.

“No grande ‘Dia do Senhor’, haverá Salvação apenas para aqueles que invocam o Seu Nome e vivem pela fé em Sua Palavra”, concluiu o Bispo.

Estudo do Apocalipse

A melhor forma de estar preparado é saber como tudo acontecerá. Por isso, todos os domingos, acontece o Estudo do Apocalipse, na Universal.

Durante a reunião, são estudados todos os acontecimentos que consolidarão a volta de Jesus e o fim do mundo. 

Para saber mais sobre o Apocalipse e se preparar para a volta do Senhor Jesus, participe da palestra, que acontece às 18h. Clique aqui e encontre uma Universal mais próxima de você.

No Templo de Salomão, que fica localizado na Avenida Celso Garcia, 605, no Brás, em São Paulo, o estudo é conduzido pelo Bispo Júlio Freitas. Participe.


Inundações na China já deixaram ao menos 390 mil desabrigados
  • Rafaela Dias / Reprodução 


reportar erro