Rede aleluia
Internet abre portas para a depressão e ansiedade em crianças
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de Setembro de 2021 - 23:02


Internet abre portas para a depressão e ansiedade em crianças

Em reportagem especial, Jornal da Record fala sobre os perigos da longa exposição. Confira

Internet abre portas para a depressão e ansiedade em crianças

Jovens, mas com muitos problemas emocionais e psicológicos. A geração Z tem sido marcada pela exposição excessiva às tecnologias, o que tem custado a própria saúde. Os adolescentes estão expostos e vulneráveis em um espaço que, muitas vezes, não têm a fiscalização dos pais.

A matéria exibida na Record TV, da série de reportagens especiais, da última terça-feira (14), mostrou os perigos da alta exposição de adolescentes nas redes sociais e tecnologias desde cedo, a exemplo do que acontece na casa de Maiara Vilela, mãe de Henry Vilela.

O menino enfrenta uma série de problemas emocionais e sociais [e vem sofrendo as consequências disso), tudo por conta do vício em jogos e do tempo excessivo em frente às telas.

Durante a entrevista, Maiara contou que percebeu que o filho estava viciado em jogos, quando o chamava para passear e ele não aceitava. Ela destacou ainda que, além do vício, o conteúdo dos jogos também a preocupa, pois há muita coisa ruim nesse meio. “Todo jogo tem violência. Quando alguma coisa dá errado, eles se xingam”, disse a mãe.

E completou: “No jogo, o pessoal que conversa com ele incentiva a fazer algumas coisas. E assim acontece. Muitas crianças já se mataram”, diz, aflita.

Apesar de ser ainda uma criança, Henry mostrou o quanto já sofre as consequências de viver a maior parte do tempo jogando. “Lá fora, todo mundo pode julgar, se você é magro ou gordo, todo mundo vai te julgar. Na internet não, ninguém vai saber a sua cara…”, contou à reportagem.

Vivendo sob o domínio das telas, Henry agora tem outros problemas ainda maiores: lutar contra a ansiedade, a depressão e o pânico. “Tenho medo de tudo, do mundo, da internet. Tenho muito medo…”, disse o garoto, assustado, sob o olhar temeroso da mãe.

Confira a reportagem completa no vídeo abaixo:


Internet abre portas para a depressão e ansiedade em crianças
  • Rafaela Dias / Foto: iStock 


reportar erro