Rede aleluia
Igreja tem registro negado em cartório por não fazer casamento gay
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de Setembro de 2021 - 15:37


Igreja tem registro negado em cartório por não fazer casamento gay

O Cartório de São José dos Campos, São Paulo, vetou registro por alegar que os estatutos da instituição está inadequado à Constituição Federal

Igreja tem registro negado em cartório por não fazer casamento gay

Uma igreja evangélica foi impedida de realizar o registro civil de seu estatuto em um cartório paulista, por não realizar casamento gay. O escrevente alegou que as diretrizes da instituição são incompatíveis com a Constituição Federal. 

Em nota, o  2º Oficial de Registro Civil das Pessoas Jurídicas de São José dos Campos, São Paulo, pontuou que o estatuto da igreja é discriminatório. “É necessário preservar o interesse da sociedade como um todo, prevenindo-se discriminações, discursos de ódio ou repúdio, e exteriorizações que possam fomentar a discriminação, a hostilidade ou a violência contra pessoas em razão de sua orientação sexual”, considerou.

Todavia, ao se referir aos dispositivos constitucionais e legais para o caso, o cartório se esquece que o art. 5º VI, da Constituição, bem como seus arts. 1º e 3º, e o art. 44 parágrafo único do Código Civil resguarda a cidadania, a dignidade da pessoa humana e a liberdade religiosa. 

Os artigos mencionados deixam claro que as instituições religiosas são livres para criar, organizar e estruturar seus regimentos internos, sendo impedido qualquer intervenção do poder público quanto ao seu funcionamento. Ao oficializar a decisão de negar o registro, o órgão vai contra às normas apontadas na alegação. 

Sem embasamento bíblico

Contudo, a fé cristã possui uma ética sexual própria, além de guardar o sexo para o casamento, entendendo ser este possível somente entre um homem e uma mulher, aponta que a prática homossexual é contra a lei natural instituída por Deus.

Não se tratando de preconceito ou discriminação contra homossexuais, e sim da consciência cristã. A Bíblia declara em Levítico 18:22, que o homem não deve se comportar como se fosse mulher, assim como no livro de I Coríntios 6:9 que diz:

 “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas”.

Em anúncio oficial, a UNIGREJAS – União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos, se manifestou contra a decisão do cartório. ”Repudiamos fortemente, bem como lamentamos profundamente a criminalização da fé cristã, a qual representa quase 90% da população brasileira”, afirmou em nota.

O Bispo Eduardo Bravo, presidente da UNIGREJAS, reforçou ainda que para o cristão, qualquer ato sexual fora do casamento entre um homem e uma mulher é considerado pecaminoso. “Jamais deveria uma igreja ter o registro de seu estatuto negado por colocar isso de forma expressa em seus atos constitutivos”, declarou. 

 


Igreja tem registro negado em cartório por não fazer casamento gay
  • Isabel Tavares 


reportar erro