Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de outubro de 2019 - 10:40


Gari encontra dinheiro e devolve à dona

História de honestidade e gratidão pode inspirar a mudança de conduta de muitas pessoas

Realengo é um bairro de periferia na zona oeste do Rio de Janeiro onde moram e circulam milhares de pessoas. Este é o cenário de uma história sobre honestidade e gratidão. Há quase um mês, o gari Leandro de Carvalho Silva, de 31 anos, encontrou R$ 700 quando fazia a coleta de lixo no bairro. O dinheiro era de uma idosa. Maria Eli da Silva Rodrigues, de 72 anos, havia saído para pagar o aluguel da filha quando o dinheiro caiu de seu bolso.

Leandro fez de tudo para encontrar o dono do dinheiro. Ele lembrou que uma senhora havia passado pelo local. “Fui na casa dela e perguntei: ‘a senhora perdeu algo?’ Ela disse: ‘meu filho, perdi R$ 700’. Ela estava nervosa, quase chorou quando contei que tinha achado.

Ela ficou muito agradecida, disse que ‘Deus me colocou ali’. Nunca pensei que acharia tão rapidamente o dono do dinheiro”, revelou ele, em matéria publicada pelo site de notícias O Dia.

Ele disse que em seu trabalho é normal achar coisas perdidas, mas que nunca fica com o que encontra. “O que é meu é meu. O que não é tenho que entregar. Gosto de conquistar minhas coisas com suor, com o fruto do meu trabalho. E a vida está muito difícil, imagina se não devolvem o dinheiro dela? Deus vai agradecer isso que eu fiz, pois foi de bom coração. Fico feliz de fazer o bem”, afirmou.

Com o dinheiro que ganha, Maria Eli mantém a casa onde mora com uma neta e ainda paga o aluguel da filha, que há dois anos sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). “Eu fiquei desesperada, mas, quando ele falou que tinha achado o dinheiro, foi uma sensação de gratidão. Hoje em dia é difícil acontecer isso, tinha que ser normal, mas não é. Ele deu um exemplo de honestidade”, disse a idosa.

Milhares de pessoas curtiram o post com a notícia do gesto de Leandro, que “viralizou” nas redes sociais. O ideal é que condutas como a dele realmente contagiassem a todos para que agissem assim.

Já imaginou se todos procedessem da mesma forma ao encontrar algo que não lhes pertence e devolvessem aos seus donos? O exemplo vale para mostrar como devemos lidar com o que é do outro em nossa sociedade. É uma atitude que não deve ser exceção, mas regra. Um gesto de respeito e, principalmente, de honestidade.


  • Eduardo Prestes / Foto: Reprodução 


reportar erro