Rede aleluia
Filhos e tecnologia: o que fazer?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de Outubro de 2018 - 00:05


Filhos e tecnologia: o que fazer?

Especialista esclarece as melhores maneiras de lidar com a situação

Filhos e tecnologia: o que fazer?

Uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, o Google, divulgou recentemente a disponibilização de um aplicativo que permite aos pais controlarem as atividades dos filhos na internet.

O app mostra quanto tempo cada criança passa em cada site ou aplicativo, as conversas e os históricos de pesquisas, além da localização. Também permite aos pais bloquearem o smartphone dos filhos remotamente em tempo real, além de impedir que acessem conteúdos que não lhes agradam.

Tamanho controle gerou inúmeras críticas. Muitos disseram que os pais invadiriam a privacidade dos filhos ou retirariam a autonomia deles.

Em contrapartida, milhares reclamaram da existência de uma idade limite para o uso da ferramenta: 13 anos. Para muitos pais é exatamente ao entrar na adolescência que o controle deve ser maior, especialmente porque, cada vez mais, jovens entregam-se o dia inteiro ao mundo online, ignorando outras atividades importantes como estudos, esportes e relações interpessoais.

Proibir ou liberar?

A psicóloga clínica, especialista em Desenvolvimento de Pessoas e Grupos Terapêuticos Verônica Kehdi esclareceu que “o dever dos pais é estar junto e acompanhando para que essa criança não corra riscos graves, como sofrer assédio e ter acesso a pedófilos”.

Para isso, porém, muito mais do que proibir ou permitir o acesso dos filhos à internet, é importante estabelecer uma relação de confiança e compreensão familiar.

“Hoje em dia a gente vê que os pais, de uma forma geral, estão sempre correndo e não, necessariamente, têm o foco no desenvolvimento dos filhos”, explica Verônica.

Para ela, a construção dessa relação ajudará os pais a descobrirem as necessidades e os gostos dos filhos, podendo oferecer a eles oportunidades de lazer mais atrativas do que a tela de um computador ou smartphone.

O primeiro passo para resolver o problema é dar aos filhos o exemplo. Isso porque crianças aprendem por observação e prática, muito mais do que por teoria (e broncas). “Os adultos estão muito viciados na tecnologia e as crianças imitam os adultos”, afirma a especialista.

Outro ponto importante é estabelecer regras e limites, sempre com conversas racionais (e não com gritos ou simples imposições sem explicações). É necessário fazer o jovem entender por que as regras existem e quais as consequências de cumpri-las ou não.

“E é para isso que existem os pais: para orientar, acompanhar, ensinar”, explica a psicóloga.

Escola das Mães

Na Universal há um grupo que auxilia mães nessas e em muitas outras questões que dizem respeito à educação e ao bom convívio com os filhos. Trata-se da “Escola de Mães”, antigo grupo T-Amar – que existe desde 2012, e mudou de nome em janeiro deste ano.

Neia Dutra é a coordenadora nacional do projeto. Ela garante que, à medida que uma mãe muda seu comportamento, sua família também é transformada. “Essa ação produz reações não apenas nos filhos, mas em toda a família”, ressalta.

O projeto realiza encontros mensais: todo primeiro domingo do mês elas se reúnem para novos aprendizados. E a cada mês aumenta o número de pessoas alcançadas pelo trabalho. Em 2017, 73.561 pessoas foram beneficiadas. Nos primeiros três meses deste ano, mais de 25 mil já receberam auxílio das voluntárias em todo o país. Conheça mais detalhes, clicando aqui.

Assista ao vídeo abaixo e saiba como funciona o grupo:


Filhos e tecnologia: o que fazer?
  • Andre Batista / Imagens: iStock 


reportar erro