Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de outubro de 2018 - 17:53


Fernando Haddad continua a atacar cristãos

Candidato do PT responde na Justiça por intolerância religiosa, calúnia, injúria, difamação e danos morais

O candidato à Presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, voltou a ofender os cristãos, chamando a Fé dos que creem na Bíblia de “fundamentalismo charlatão”. O insulto foi disparado nesta terça-feira (23), durante sabatina a jornalistas do Grupo Globo.
Para o ex-prefeito de São Paulo, púlpitos de templos da Igreja Universal do Reino de Deus estariam sendo utilizados para “difamar adversário”. Ele ainda acusou o Bispo Edir Macedo de “usar uma concessão de TV para fazer campanha aberta para um candidato”, ao se referir a uma entrevista concedida à Record TV pelo candidato Jair Bolsonaro.

Neste caso, Haddad deveria dirigir sua revolta ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que aprovou a realização da entrevista quando julgou pedido de censura prévia formulado pelo candidato do PT. Um tipo de censura típico de regimes totalitários, daqueles que não têm apreço pela Democracia e pela liberdade de imprensa.
Sobre a acusação do petista de que bispos e pastores estariam pedindo voto no altar, jamais, em qualquer outra eleição, uma instituição religiosa foi tão fiscalizada e vigiada pela Justiça Eleitoral, Ministério Público Eleitoral, partidos políticos e pela Imprensa, quanto a Universal neste ano de 2018.
UOL, “Folha de S. Paulo”, “O Estado de S. Paulo”, “O Globo”, BuzzFeed, BBC e tantos outros veículos e comunicação social passaram as últimas semanas visitando templos, entrevistando fiéis e simpatizantes da Universal na esperança de encontrar uma mísera infração à Lei Eleitoral: um pedido de voto, um ataque a candidato, um santinho distribuído em local proibido. Não encontraram nada, absolutamente nada.
O candidato já responde na Justiça por seus ataques aos cristãos, à Universal e ao Bispo Edir Macedo, em ações por danos morais, em queixa-crime por calúnia, injúria e difamação e em representação pelo crime de intolerância religiosa, perante o Ministério Público Federal.
Talvez o único ponto que se pode concordar com a fala de Fernando Haddad na sabatina, seja quando ele afirma que “quem fica mentindo, não pode ser cristão”. É verdade. O povo cristão sente a mentira de longe.
Este deveria ser o maior temor do candidato.


  • Unicom / Foto: Wilson Dias - Agência Brasil 


reportar erro