Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de dezembro de 2018 - 13:48


Entrelinhas: Marcas do passado

Conheça a história de Patrícia Leal, que aos 8 anos sofreu abuso sexual. Durante a conversa, ela contou como venceu o trauma

Traumas do passado interferem diretamente na vida pessoal e profissional de algumas pessoas e geram consequências cruciais na saúde emocional. Com o intuito de debater o assunto, o programa Entrelinhas, que foi ao ar no domingo último (23), mostrou a história de Patrícia Leal. Aos 8 anos ela sofreu abuso sexual do próprio pai. Durante a conversa, ela contou como venceu as marcas do passado.
Ninguém está imune a certos acontecimentos que podem ocorrer na vida como a perda de um ente querido, uma traição, uma doença. Principalmente, no caso de um abuso sexual, o trauma pode perdurar por muitos anos, senão por toda uma vida. Visto que, muitas pessoas não conseguem superar as marcas do passado sozinhas. Então, tornam-se angustiadas, amarguradas, inseguras, tristes e deprimidas.
Foi o que aconteceu a Patrícia. Dos 8 aos 13 anos, ela foi abusada sexualmente pelo próprio pai. Em troca do silêncio, recebia dinheiro e também ameaças de que sua mãe morreria se ela contasse a alguém. O pai até então era o seu herói, apesar de ser um homem violento com a esposa. Comportamento que a mãe, da mesma forma, também passou a adotar com a filha.

“Sara os quebrantados de coração, e lhes ata as suas feridas.” Salmos 147:3

O dinheiro se tornou uma lembrança assombrosa. E a culpa roubou a sua identidade. Patrícia cresceu e tornou-se uma mulher que carregava consigo as dores de um trauma de infância. A partir daí tudo em sua vida dava errado. Ela não se achava merecedora do sucesso pessoal ou profissional. Por 25 anos ficou presa às lembranças do passado, vivendo a mesma dor, dia a dia.
Patrícia conta que com toda a raiva que sentia, e com muita arrogância, ela mostrava aos outros por meio do que conquistava quem ela era. Graduou-se e entrou para o mundo dos negócios. Focou tudo no trabalho. Mas, teve vários projetos fracassados, contraiu dívidas e destruiu um casamento de 7 anos. Com uma filha pequena, passou fome e conheceu a miséria.

É possível as marcas do passado cicatrizarem?

Uma atitude pode mudar uma história. Foi por meio de um convite de uma ex-funcionária que ela chegou à uma reunião da Universal pela primeira vez. Até que tomou uma decisão que a fez recuperar a sua identidade, perdoar e reencontrar o amor. Ela afirma que só é possível escrever a própria história quando se tem o Espírito de Deus dentro de si.
“Diz a Bíblia que um abismo chama outro abismo. Ou seja, um problema chama outro problema, uma dificuldade chama outra dificuldade (…) Todo mundo tem a sua história e tem uma história de passado. Mas, chega um ponto que é crucial, o ponto decisivo. A pessoa pensa: até quando vai ser vítima do trauma e do passado?”, disse o Bispo Edson Costa.
“Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço uma coisa nova, agora sairá à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo.” Isaías 43:18,19
Apresentado pelo Bispo Edson Costa, o programa contou também com a participação de sua esposa, Paula Costa, e do Bispo Sergio Corrêa. Abaixo, você pode assistir ao vídeo na íntegra e saber mais detalhes dessa história surpreendente.

O episódio deste Entrelinhas e todos os programas anteriores estão disponíveis na plataforma online Univer Vídeo.
 


  • Michele Roza / Foto: Reprodução 


reportar erro