Rede aleluia
Eles nos acusam sem provas do que são acusados com provas irrefutáveis
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de setembro de 2020 - 00:02


Eles nos acusam sem provas do que são acusados com provas irrefutáveis

Grupo Globo é delatado à Justiça por sonegações e fraudes desde os anos 90. Saiba mais

Eles nos acusam sem provas do que são acusados com provas irrefutáveis

Na noite desta segunda-feira (14), o Jornal da Record exibiu uma reportagem especial, falando a respeito da delação premiada de Dario Messer, réu na operação Lava Jato, o qual revelou uma ligação suspeita entre o “doleiro dos doleiros” e a família Marinho: um esquema clandestino de repasses de dinheiro vivo, que poderia ultrapassar R$ 1 milhão.

Essa não foi a primeira vez que os donos do grupo Globo foram delatados à Justiça. Doleiros especializados em fraudar o sistema financeiro foram escolhidos pelos Marinho para sonegar impostos e manter a fortuna longe das autoridades.

No famoso escândalo do Banestado, nos anos 90, documentos do Ministério Público Federal revelaram que empresas dos herdeiros da rede Globo teriam enviado ilegalmente R$ 1,6 bilhão ao exterior.

Assista à primeira reportagem completa da série clicando aqui.

Desdobramentos

Já na noite desta terça-feira (15), o Jornal da Record deu continuidade à serie de reportagens “O Lado Oculto do Império” e mostrou a relação da Globo com a corrupção no futebol e como o grupo se favorece com isso.

Clique aqui e assista na íntegra à segunda reportagem da série.

Na reportagem desta quarta-feira (16), confissões inéditas do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, contadas à Polícia Federal, revelam que o grupo Globo sabia do esquema criminoso de compra de votos envolvendo o estado e o Comitê Olímpico Internacional – para a escolha do Rio de Janeiro como sede dos jogos de 2016.

Assista à terceira reportagem completa da série clicando aqui.

Dando continuidade à série de reportagens, nesta quinta-feira (17) a investigação do Ministério Público Federal revela que João Roberto Marinho, um dos donos do grupo Globo, foi pego pela Receita por sonegar impostos sobre uma importação milionária de um cavalo de raça para competições.

A ação também descobriu aquisições suspeitas de outros compradores. A soma de todas as fraudes é de quase R$ 160 milhões.

Assista, clicando aqui, ao vídeo com a quarta reportagem na íntegra da série O Lado Oculto do Império.

Imóveis de luxo da família Marinho, no Rio de Janeiro, estão na mira da Justiça. Duas mansões erguidas no meio da Mata Atlântica teriam sido construídas sem respeitar as leis ambientais. Os danos à natureza foram considerados graves e o Ministério Público Federal já pediu a demolição de uma delas. Já uma cobertura em Ipanema, em um dos endereços mais caros do país, foi reformada sem as autorizações obrigatórias e já recebeu quase R$ 500 mil em multas.

Assista no vídeo abaixo à quinta reportagem da série O Lado Oculto Do Império:

 


Eles nos acusam sem provas do que são acusados com provas irrefutáveis
  • JR na TV / Fotos: Reprodução 


reportar erro