Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de março de 2019 - 10:26


Ela queria controlar os passos do marido

Patrícia conta que no início da união sofria muito por ser controladora. Saiba como ela mudou e entenda a importância do equilíbrio na vida a dois

Se tem uma atitude dentro do relacionamento que pode ser destrutiva é a de querer controlar o outro o tempo todo. Quem convive com uma pessoa controladora tem a sensação de estar compartilhando sua vida com um
verdadeiro detetive.

O cônjuge controlador checa tudo que pertence ao parceiro: carteira, bolsos, celular, e-mails, etc. E faz perguntas como “com quem você conversou hoje?”, “onde você estava?”, “por que falou com fulano?”, entre outras.
Agir dessa forma “intoxica” o relacionamento. Os apresentadores e palestrantes Renato e Cristiane Cardoso observam que a pessoa controladora é, na verdade, insegura. “Esse comportamento faz com que o outro queira se afastar e que a relação esfrie, mas é algo que a pessoa não consegue controlar. Ela sabe que não deveria ser assim e continua sendo”, declara Cristiane.

Renato acrescenta que é preciso encontrar o motivo que causa esse sentimento. “Essa insegurança pode ter várias raízes no passado, seja na relação atual ou em algo que aconteceu antes dela. A pessoa tem medo de perder o casamento e se acha inferior. Então, enquanto não tratar essa raiz, a natureza controladora continuará se manifestando.”

Como mudar esse jeito
A microempreendedora Patrícia de Jesus Santos, de 33 anos, conta que no início do casamento com o adestrador de animais Leonardo Adriano Borsari, de 36 anos (foto a esq.), ela era extremamente controladora. No entanto achava que suas atitudes eram demonstrações de amor.

“Ele foi meu primeiro namorado. Tínhamos 13 anos quando iniciamos o namoro, que durou 11 anos! Fomos morar juntos, mas brigávamos bastante porque eu era muito controladora. Queria saber todos os detalhes do dia dele, dizer o que ele podia ou não fazer e, se não acontecia do jeito que eu queria, discutíamos.”

Aparentemente, Leonardo fazia as vontades da esposa, mas estava se distanciando emocionalmente. “Fazia o que ela queria para não brigarmos mais, mas detestava aquele comportamento dela. Com o passar do tempo, passei a não ter mais prazer em conversar com minha esposa. Me sentia vigiado 24 horas. Coloquei na cabeça que queria me
separar”, afirma.

Vendo a apatia no casamento deles, a mãe de Leonardo os orientou a buscar ajuda na Terapia do Amor. “Quando chegamos lá entendi que agia daquela forma não porque o amava, mas porque era insegura e tinha medo de perdê-lo. Precisei vencer traumas da infância e ser humilde para pedir perdão e recomeçar”, conta Patrícia.

Eles oficializaram a união no Altar do Templo de Salomão, em São Paulo, em 15 novembro do ano passado. “Aquele dia marcou o começo de uma nova fase para nós. Hoje temos diálogo e buscamos sempre o equilíbrio para não cair nas mesmas armadilhas de antes”, conclui Leonardo.

A Terapia do Amor acontece todas as quintas-feiras no Templo de Salomão ou em uma Universal mais próxima de você. Para mais informações, acesse terapiadoamor.tv.


  • Ana Carolina Cury / Fotos: Fotolia e Arquivo Pessoal 


reportar erro