Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de fevereiro de 2019 - 14:01


Ela ficou livre da epilepsia

Keila Moreira não desistiu de lutar pela cura da filha Lauany, diagnosticada com a Síndrome de Panayiotopoulos

Em meados de 2016, a professora Keila Moreira, de 30 anos (foto abaixo), recebeu uma ligação. Ela precisava encontrar a filha Lauany Moreira Lima, que tinha 4 anos (foto acima), no hospital e não na escola, onde a havia deixado. A menina tinha desmaiado.

“A professora relatou que ela almoçou normalmente e que, quando foi escovar os dentes, passou mal e caiu no chão. Ela não soube explicar exatamente o que tinha acontecido”, conta Keila.

“Quando cheguei, Lauany estava com os olhos arregalados, fraca, não falava e não se mexia. Estava paralisada e com a pulsação baixa. Colocaram soro em seu braço”, recorda.

Os médicos suspeitaram de virose, porque a pequena vomitou, mas a mãe não se contentou com o diagnóstico e a levou para outro hospital, onde foram solicitados exames como eletrocardiograma, eletroencefalograma e tomografia. Descobriu-se que Lauany tinha Síndrome de Panayiotopoulos, um tipo de epilepsia infantil.

“Era raro ver minha filha pegar um resfriado. O diagnóstico de doença incurável, que a submeteria a remédios fortes, me deixou sem chão”, dispara.

O laudo foi uma surpresa para a mãe, pois não havia histórico familiar da doença. Até a árvore genealógica foi feita para identificar o problema em gerações passadas. Nada foi descoberto.

As crises aconteciam comumente durante o dia. O acompanhamento médico era feito a cada três meses e a menina fazia tratamento com medicamentos anticonvulsivos/antiepiléticos a cada oito horas. “Ela tomava sempre no horário certinho. Nem antes nem depois.”

O que é epilepsia?
A epilepsia é uma alteração do funcionamento do cérebro. É um dos distúrbios mais comuns do sistema nervoso e as pessoas que sofrem com ele são mais suscetíveis a convulsões recorrentes não provocadas. O diagnóstico é basicamente clínico e depende das informações dadas pelos pacientes e pelas pessoas que observam a crise e por exames complementares, como o eletroencefalograma – teste que mede a atividade elétrica do cérebro –, além de ressonância e tomografia computadorizadas. Esses exames vão auxiliar e definir o que causou a epilepsia.

Cura
No início de 2018, Keila recebeu um convite para conhecer a Universal. Na verdade, não foi o primeiro. “Minha cunhada é da Universal desde a EBI, mas estava afastada há dez anos. Voltou por conta de um problema de saúde e o meu irmão acabou indo com ela. Eu achei um absurdo, pois não gostava da Igreja.”

O irmão de Keila não deixou de agir a fé. “Ele trazia a água consagrada para a minha filha. Em janeiro do ano passado, já não aguentando mais o sofrimento, pedi que me levassem à Igreja. Estava desempregada, com a vida destruída e minha filha tinha crises constantes. Fui no domingo e a palavra dita naquela manhã foi literalmente para mim.”

Keila passou a frequentar a Universal todos os dias. Aos domingos, ela mesma passou a levar a garrafa com água para determinar a cura da filha. “Um dia falei para ela: ‘você está curada’. E ela não teve mais nenhuma crise. Solicitei um exame e nele constou que ela não tinha mais nada”, conta.

O resultado foi apresentado ao médico, que, segundo a professora, ficou sem entender. “Ele pediu outro exame, que também não constatou a doença. Com a fé, o impossível pode acontecer”, finaliza.


  • Flavia Francellino / Fotos: Demetrio Koch e Cedidas 


reportar erro