Rede aleluia
Educadora é esfaqueada por mãe de aluno dentro da escola
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de Novembro de 2019 - 13:04


Educadora é esfaqueada por mãe de aluno dentro da escola

Violência é tão grave que governo se movimenta para tentar freá-la

Educadora é esfaqueada por mãe de aluno dentro da escola

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados promoveu dia 31/10 uma audiência pública para discutir formas de se combater a violência nas escolas brasileiras.

O debate foi promovido pelas deputadas federais Soraya Manato (PSL-ES) e a Professora Dayane Pimentel (PSL-BA). De acordo com Manato, “a escola não está sendo tratada como deveria ser: um lugar sagrado para a educação. A violência e a crueldade vêm manchando os espaços de ensino”.

Exemplo disso é a orientadora educacional que foi esfaqueada pela mãe de um aluno em outubro. O caso ocorreu dentro de uma escola pública em Cubatão (SP). Os envolvidos não tiveram seus nomes revelados pela polícia.

No caso, a profissional convidou a mãe de um aluno à escola para averiguar o excesso de faltas às aulas. A convidada foi à reunião com uma faca escondida. Ali ela agrediu e esfaqueou a orientadora.

“Ela não me deixou falar”, contou a profissional à imprensa. “Já chegou falando que eu não tinha filho e, nisso, tirando uma faca que estava entre os seios. Ela agarrou no meu cabelo. Até arrancou um tufo, de tanto que puxou. Eu caí no chão, bati minhas costas na parede e a faca acertou meu pé, minha perna”.

A orientadora foi encaminhada ao pronto-socorro e está afastada das atividades. A agressora responderá a processo na Justiça.

“Ela disse que foi na escola com uma faca na intenção de assustar a orientadora. Ela falou que foi atendida pela equipe, mas já chegou alterada e foi para cima da orientadora”, declarou o delegado Raphael Teixeira, responsável pelo caso.

A culpa é sempre do profissional?

A agressora citada acima alegou que perdeu a paciência, pois a orientadora estava “perseguindo” ela. Na verdade, a profissional estava preocupada, pois a frequência escolar do aluno está muito abaixo do exigido por lei.

Ademais, suspeita-se que o aluno tenha autismo, mas o diagnóstico não pôde ser dado ainda, pois a mãe do aluno não o leva às consultas psicológicas e pediátricas que a própria escola marca.

De acordo com Bárbara Molina, diretora educacional, casos como esse são frequentes. As famílias se esquivam de suas responsabilidades e jogam a culpa pelos problemas para os profissionais da Educação:

“Eu costumo dizer que nós matamos um leão por dia e guardamos outro leão para matar no dia seguinte, porque não deu tempo. É muito dinâmico. Acontece de tudo. De repente, explode uma briga, explode uma mãe, um pai, um familiar aqui nervoso, querendo colocar a culpa na escola por seus problemas.”

De acordo com ela, “o professor é cobrado sobre os conteúdos que ele tem que passar e dar conta e não consegue, é cobrado pela saúde emocional e é cobrado pela família. Porque a família vem e joga toda culpa no professor, na escola.”

Em muitas dessas situações, pais violentos extrapolam sua raiva atacando os profissionais, como aconteceu em Cubatão.

Apoio aos professores

Por esses motivos é tão importante que os professores também recebam apoio. Lidar com situações como essa tem adoecido milhões de profissionais no país inteiro.

Visando oferecer suporte aos educadores e ajudá-los a encontrar o equilíbrio que a profissão necessita, o Projeto EducaAção tem atuado nas escolas de todo o Brasil.

Por meio dele, não apenas alunos são atendidos, mas, também, os professores. Todos os meses são realizadas reuniões especiais. Em setembro, por exemplo, a psicóloga Jussara Bonfim conversou com 200 professores que estiveram presentes no Templo de Salomão. Outros mil profissionais assistiram à palestra por videoconferência.

Já em outubro, os professores participaram de um café da manhã especial, também no Templo. Depois, participaram da Consagração e Valorização dos Professores e Profissionais da Educação. Por fim, realizaram um tour pelo Jardim Bíblico e pelo Museu do Templo.

Em novembro, o evento ocorrerá no dia 23. Todos os professores e profissionais estão convidados. Para saber mais detalhes, envie e-mail para eventos@namoroblindado.com. Participe!


Educadora é esfaqueada por mãe de aluno dentro da escola
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro