Rede aleluia
“Deus vai muito além do que se imagina”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de setembro de 2020 - 00:05


“Deus vai muito além do que se imagina”

A cura de Cristal Teixeira, que caiu do 3o. andar, parecia impossível aos olhos dos médicos, mas não para Deus

“Deus vai muito além do que se imagina”

A recepcionista Ana Cleide Teixeira, de 33 anos, mora no bairro Estrada das Barreiras, na região do Cabula, em Salvador, na Bahia. O local, recheado de ruas, vielas e travessas, com lojas de serviços e supermercados e com diversos conjuntos habitacionais e centenas de casas, faz a ligação com outros bairros da região. Moradora de lá há bastante tempo, Ana passou por uma situação inesperada e desesperadora há sete anos.

“Deus vai muito além do que se imagina”

Ela diz que jamais vai conseguir esquecer o que ocorreu. “Era o dia do aniversário da minha filha Cristal, que estava completando dois anos. Como era uma quinta-feira, faríamos uma festinha no domingo. Minha casa estava em reforma e eu e a Cristal estávamos subindo pela escada que fica do lado de fora da casa e só tinha o corrimão aberto, sem proteção lateral. Quando chegamos ao topo, eu larguei a mão dela para abrir a porta, me descuidei por um segundo e, quando vi, minha filha tinha caído do terceiro andar”, conta, emocionada.

Ana desceu as escadas correndo para tentar socorrer a filha. “Eu pulei o muro para chegar à casa do vizinho onde ela estava. Quando a peguei já vi que o crânio dela estava aberto. A cabeça estava muito inchada e seu rosto desfigurado pelo impacto. Foi um desespero. Saí pedindo socorro, pois ela não respirava. No carro, fui clamando a Deus por ajuda”, lembra.

Ana detalha que quando chegaram à entrada do hospital, na emergência, a menina foi entubada, mas ninguém disse nada em relação ao estado de saúde dela. “Os médicos só ficavam conversando entre eles e falavam apenas para eu aguardar e torcer para que ela não tivesse alergia aos medicamentos. Quando diziam algo, era sempre para que eu me conformasse com o estado de saúde de Cristal e que o pior ainda estava por vir”, explica.

“Deus vai muito além do que se imagina”

Ela lembra que um dos médicos, bem alto e com as mãos grandes, lhe falou o seguinte: “‘a senhora está vendo o tamanho da minha mão?

Ela passa pela cabeça da sua filha. Não temos o que fazer no momento. Só podemos aguardar’. Outra doutora, que estava de plantão certo dia, me disse que, infelizmente, a minha filha não tinha mais jeito. Ela falou: ‘se ela acordar, vai vegetar’. Eu respondi para ela que minha filha sairia viva e andando dali. Ela disse que entendia o meu sentimento, mas que era muito difícil que isso acontecesse”, recorda.

Naquele dia, Ana saiu revoltada do hospital. “Eu tinha que ir ao trabalho para assinar os papéis das minhas férias. No caminho, eu fui orando a Deus. Depois, eu fui para a Igreja. Fiz o propósito de colocar tudo o que eu tinha no Altar. Eu disse para Deus que ele fizesse uma escolha: que levasse a minha filha de vez ou que restabelecesse a saúde dela completamente, mas que eu não aceitava mais aquela agonia”, relata.

Cristal já estava em coma induzido há duas semanas quando o inacreditável aconteceu. “Em uma sexta-feira, ela acordou pela primeira vez. Ela estava sendo mantida em coma induzido por causa da abertura do crânio. Eles a doparam novamente, mas, no domingo, ela acordou de novo, perguntou por mim e não dormiu mais. Foi algo tão de Deus, tão maravilhoso, que eu não
sei explicar.”

Ana revela que os médicos ficaram muito surpresos com a recuperação rápida e inexplicável de Cristal. “Tanto que uma equipe médica de outro hospital de Salvador foi visitar minha filha para conhecer o caso. A Cristal ficou em observação mais uns dias, mas tiveram que dar alta para ela. Hoje, a cabeça dela está normal e até o globo ocular dela, que tinha saído depois da queda, voltou ao lugar. Cristal tem 9 anos, está na terceira série do colégio e é uma criança saudável e normal”, comemora.

Ana diz que os médicos não reconheceram que a cura de Cristal foi pela Fé. “Eles não falaram nada a respeito, mas não tem como negar.

Foi o poder de Deus que a curou. Tudo voltou para o lugar e, por isso, eu digo que, se alguém estiver passando por uma situação assim, não desista. Os médicos estudam para resolver situações que acontecem ali, naquele momento, mas Deus é o Deus do impossível. Ele vai muito além do que imaginamos”, enfatiza.

Corrente dos 70

Você ou um familiar também estão passando por um momento difícil, assim como Ana Cleide passou com a sua filha Cristal? Se você acredita que esse sofrimento pode ter um fim, nesta terça-feira, compareça à reunião da “Corrente dos 70“. Milhares de pessoas já receberam a cura, sobretudo, provando que o tempo de milagres não acabou.

A saber, em São Paulo, a “Corrente dos 70” acontece todas às terças-feiras, no Templo de Salomão, localizado na Avenida Celso Garcia, 605, no bairro do Brás, zona leste de São Paulo. Confira os horários da reunião aqui. Para mais informações em outra região do estado ou na sua cidade, procure a Universal mais perto da sua casa.


“Deus vai muito além do que se imagina”
  • Eduardo Prestes / Foto: Getty images 


reportar erro