Rede aleluia
Desprezo ao próximo
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de Maio de 2021 - 00:05


Desprezo ao próximo

Desprezo ao próximo

Existe no mundo atual uma crescente onda que sugere o cuidado com o ser humano e o meio ambiente, mas o que está por trás disso?

Será mesmo cuidado com o próximo? Em plena pandemia, a Nasa anunciou os projetos escolhidos para a edição de 2021 de um programa que tem como objetivo gerar inovações em tecnologias espaciais para a exploração do universo. No mundo, 35 nações têm agências para lançar missões que cruzam a atmosfera levando astronautas e satélites. Todos os anos, bilhões de dólares são investidos em aventuras espaciais numa frívola busca para encontrar vida em outros planetas, mas como está a vida aqui na Terra?

O chefe da diplomacia americana alertou recentemente para uma limpeza étnica na Etiópia que consiste em banir, matando ou expulsando, grupos indesejados do país. Os conflitos teriam deixado meio milhão de pessoas sem casa e cerca de 100 mil soldados mortos. Enquanto isso, a guerra na Síria já fez mais de 388 mil mortes e 12 milhões de refugiados e deslocados, pessoas que precisam fugir do país ou da região onde moram para sobreviver. O terrorismo na região de Cabo Delgado, em Moçambique, fez 700 mil refugiados e 50% dos moçambicanos que fogem da guerra são crianças.

No Sudão, a fome é usada como método de guerra. Ele consiste em privar comunidades que vivem em áreas controladas pela oposição de recursos necessários para a sobrevivência. Em todo o mundo, 235 milhões de pessoas têm passado fome. Esse quadro foi potencializado pela pandemia. Pessoas que passam fome diariamente narram a situação como um profundo desespero. Por que parece que ninguém se importa? Falta dinheiro no mundo? Falta comida no mundo?

Em março de 2020, o secretário-geral da ONU pediu um cessar-fogo entre as nações para concentrar os esforços na luta pela vida contra a pandemia, mas e os milhões de mortes causadas pelas guerras e pela fome não importam? Nosso mundo seria muito diferente se todos seguissem os ensinamentos do Senhor Jesus: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Os sinais estão aí, mas nossa preocupação não deve ser sobre quando o Fim dos Tempos chegará. Em vez disso, nosso foco principal deve ser buscar a Deus para podermos partir deste mundo com a certeza da nossa Salvação. Para saber mais, participe das reuniões de domingo na Universal.


Desprezo ao próximo
  • Bispo Júlio Freitas / Foto: Getty Images 


reportar erro